Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: França

franca-nos-tempos-de-sao-paulo-1360695742878_956x500

Olá nação tricolor!

Françoaldo Sena de Souza nasceu em Codó, no Maranhão, em 02 de março de 1976.

Sua escala de formação no futebol passou por Manaus, Jaú até chegar ainda com 19 anos ao São Paulo.

Seu desafio no futebol era grande. O time que havia vencido tudo no futebol mundial se reinventava em 1996, após um início de ano muito difícil, com a isquemia cerebral sofrida por Telê Santana. Seu discípulo, Muricy Ramalho, soubera de um jovem que havia feito 6 gols na Copa SP de juniores e teria a oportunidade, em seu primeiro ano no Tricolor, de assistir um dos mais belos gols de bicicleta da história do Pacaembu, no jogo São Paulo x Rio Branco, de Americana. O autor: Françoaldo, já França.

O talento refinado e faro de gol de centroavante o fizeram encontrar lugar no Tricolor, que ainda teve Muller retornando naquele ano, mas os tempos já eram outros e o atacante do gol decisivo do Mundial 1993 e vencedor de mais 11 títulos no SPFC, voltaria ao futebol italiano.

Assim, o caminho estava livre para França. O atacante não perdeu a chance.

182 gols, o quinto maior artilheiro da história do São Paulo, atrás apenas de Serginho Chulapa (242), Gino Orlando (232) e Luis Fabiano (atualmente com 198, em janeiro de 2015) e Teixeirinha (189).

Os títulos paulistas de França no SPFC vieram junto da artilharia nos campeonatos, em 1998 e 2000, contra Corinthians (no histórico retorno de Raí) e Santos, em finais emocionantes. Em 98, Raí, abriu o caminho e França liquidou o jogo, com 2 gols, na final da virada vencida por 3 a 1. Já em 2000, França não pôde disputar a segunda finalíssima, mas fez o gol da primeira partida que garantiu a vantagem ao Tricolor.

download (1)

França foi seleção brasileira e teve o privilégio, orgulho e honra, de marcar para o Brasil em Wembley, no empate com a Inglaterra por 1 a 1, no ano 2000.

Ao lado de Kaka e Luis Fabiano, conquistou ainda o inédito Rio-SP para o Tricolor, em 2001.

Franca-Luis-Fabiano-Paulo-DivulgacaoSPFC_LANIMA20120830_0063_26

Então a estrada artilheira levaria França ao exterior, em 2002, antes com um drama de lesão que o impediu de ter chances de convocação à Copa do penta brasileiro. A Alemanha e o Japão, assistiram seus gols antes de encerrar a carreira.

França, o artilheiro assistente!

Saudações Tricolores!

Crédito-Imagens: Esporte UOL, Lanima

Siga-me no Twitter: @carlosport