Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: Friedenreich

imagem149

Olá nação tricolor!

Discorrer sobre Friedenreich significa recorrer aos livros e enciclopédias. Certamente, nos capítulos da mais alta nobreza do reino da bola.

Para os antigos, até surgir Pelé, Fried era o maioral. Um dos maiores atacantes da história do futebol brasileiro, porém, anterior ao alcance da eternização das imagens de TV. A era amadora…

Friedenreich pode se confundir com o hino do SPFC “dentre os grandes, és o primeiro”, pois foi aquele que inaugurou o batalhão dos gigantes tricolores.

imagem1113

Falando em batalhão, serviu ao São Paulo e por SP, defendendo o estado na revolução constitucionalista, de 1932. Um patriota bandeirante!

Seus gols superaram a marca de 1200 tentos, muitos deles, no período de 1930, ano da fundação do Tricolor, até 1935, já Clube da Fé.

“El Tigre” foi a alcunha dada pelos uruguaios, após encantar no Sulamericano de 1919, pela seleção do Brasil. Ele que era filho de alemão com uma negra brasileira, a típica miscigenação tupiniquim, que fascinou até ao conservador Club Athletico Paulistano.

No Esquadrão de Aço, a primeira formação campeã do São Paulo Futebol Clube, marcou impressionantes 103 gols, em apenas 125 jogos, a maior média da história são-paulina.

Faleceu aos 77 anos. Deixando o legado da sua genialidade, entre os 5 maiores jogadores brasileiros do século XX (IFFHS 1999).

imagem178

Saudações Tricolores!

Crédito-Imagem e fontes de pesquisa: Folha de SP, spfcpedia, blog Tardes de Pacaembu.

Siga-me no Twitter: @carlosport