SPFC, o novo Independiente?

DJtFPY9W4AASrh1

O Independiente, de Avellaneda, é o grande campeão da Libertadores da América. 7 títulos e predomínio em décadas passadas, em nosso continente sul-americano.

Assim como Peñarol e Nacional assombraram gramados sudacas, pela fibra e raça de outrora.

Olimpia do Paraguai também é um bom exemplo, tri da América.

Qual a relevância no cenário sul-americano desses times, nos dias atuais? Quase nula. Possuem torcidas grandes, jogam por tradição, mas sem a imposição e o temor rival.

O São Paulo, há 9 anos, atravessa o mesmo processo. É o maior campeão das Américas no país, somando todos títulos da Conmebol e o único trimundial do Brasil.

Porém, sufoca, naufraga em sua própria perpetuação do poder, que arrasa o clube, ano a ano.

Eliminações, humilhações, freguesia em clássicos, temor perdido. Nenhum time tem medo do São Paulo mais. Ninguém mais admira e aplaude a diretoria do clube, como sempre ocorria, desde 1930, a partir do juvenalismo.

A explosão em tamanho da torcida, se consolidando como terceira maior do país, não conseguiu reverter a lástima administrativa e nos gramados.

O SPFC, de “dentre os grandes, és o primeiro”, está em um processo de degradação e diminuição de tamanho, causada por fogo amigo. O pior, sem poder de reação em suas células vitais.

Nada na sociedade deu certo com poder perpetuado. Governos, clubes, instituições. Desde 2002, o mesmo grupo político domina o Tricolor. Viveram ascensão, ápice, declínio e, nos últimos 3 anos, terra arrasada.

Tento lutar contra tudo isso, até o limite das minhas forças. Diariamente, amando, apoiando, torcendo.

Mas também cobrando, questionando, exigindo, criticando. Quem ama, cuida.

Enfrentando a tática nazista de Goebbels, a propaganda de dizer 1000 vezes 1 mentira, pra que se torne verdade. A moda da vez do aparelhamento é: “quem cobra, torce contra”.

Prática torpe, vil, deplorável, canalha.

Porém, podem falar, a nação tricolor sabe quem é quem. Seguirei exigindo aprimoramento de gestão no SPFC, modernização, choque de governança ou mudança diretiva. É uma luta inglória pois, pelo visto, os conselheiros de situação que poderiam bradar, estão satisfeitos com o drama desesperador tricolor. Já os oposicionistas, sempre em minoria, minguam no que podem fazer.

Sites, blogs, influenciadores de toda uma geração que não conheceu a grandeza do SPFC, fazem com que seja disseminada essa mentira e blindam o poder, com “maestria”.

As organizadas decidiram só cobrar após o SPFC escapar da segunda divisão. Cogita-se até não cobrarem nada dos que estão no poder.

Difícil…

Ocorre que cada família tricolor vale a batalha, os amigos, a honra.

O projeto de espanholização segue firme no Brasil e as dezenas (até centenas) de milhões de reais que o SPFC ganha a menos por ano, em relação aos seus maiores rivais, por absoluto amadorismo e incapacidade, está empurrando o Tricolor da condição de protagonista, para coadjuvante, cada vez mais.

Não somos mais o Real ou Barça, o Bayern, a Juventus, os 5 grandes ingleses. Somos aquele time intermediário (ainda um clube gigante) que um dia foi um grande campeão…

Assim como o Independiente, maior da Libertadores na Argentina.

Seguirei, como simples torcedor, amando o São Paulo e o defendendo.

Até onde mais consigam destroçá-lo, a resistência sempre existirá.

Saudações Tricolores.

 

Carlos Port

Opinião Tricolor