Opinião Tricolor: Roberto Rojas

DF0KNaEXsAAK00W

O programa da nação tricolor recebeu o ícone Roberto Rojas, personagem emblemático na história do São Paulo e da seleção chilena.

Rojas foi goleiro, preparador de goleiros, auxiliar técnico e treinador que reconduziu o Tricolor para a Libertadores da América, após 10 anos de ausência.

Bastidores imperdíveis, de um vencedor da vida.

Confira!

Saudações Tricolores!

No Twitter: @carlosport @paulinhoheavy

Opinião Tricolor: SPFC Raiz

DEsZjyiXcAAGSi4

O programa da nação tricolor recebeu Ricardo Flaitt e Roney Altieri, do SPFC Raiz, novo projeto são-paulino que vai ao ar todo sábado, das 14h às 15h30, na rádio Trianon, 740 AM.

Em pauta, os bastidores da maior crise do SPFC. A importância do torcedor e os caminhos para o Tricolor Paulista superar a perpetuação do poder, que afunda o time cada vez mais.

Confira!

 

Saudações Tricolores!

No Twitter: @carlosport @paulinhoheavy

Opinião Tricolor: Dragões da Real

DEGIxy0XkAAvybO

Dragões da Real no Opinião Tricolor!

O programa da nação tricolor recebeu André Azevedo, presidente da Dragões da Real.

Em pauta, Rogério Ceni, o SPFC atual e seus problemas político-administrativos.

Análise dos rumos são-paulinos, para a correção de anos de desmandos, desmanches, más contratações, ciranda de técnicos e “amadorismo soberano”.

Saudações Tricolores!

 

Carta aberta ao São Paulo FC: Renuncia Leco

viole

São Paulo, julho de 2017.

Diz a máxima: a vida é feita de escolhas.

Sem dúvida que sim.

Ao longo da minha, escolhi o São Paulo pra amar, desde o nascimento. Fato que já era amor de pai e avô, porém, lembro do encanto de criança, de ver as bandeiras tricolores tremularem no Morumbi, de contar os dias para chegar a quarta-feira à noite, ou o domingo a tarde, pra voltar pro estádio. Assim cresci.

Se o espetáculo da torcida era belo, os times também eram.

Os anos 70 haviam sido fantásticos, com o Morumbi concluído e o São Paulo campeão desde Laudo Natel presidente (1970-1971) e maravilhosos jogadores como Gerson, Pedro Rocha, Toninho Guerreiro, Forlan, Roberto Dias e outros tantos, Muito pequeno, não me lembro do São Paulo de Minelli, com Henri Aidar presidente, vencer o primeiro Brasileirão, ode 1977, calando um Mineirão lotado, com o monstro Chicão, Deus da raça e a catimba de Waldir Peres, comandando 11 guerreiros.

Já estava no Cícero Pompeu de Toledo quando a Máquina Tricolor dos treinadores Carlos Alberto Silva e Formiga, com Galvão presidente e os lendários Serginho Chulapa, Zé Sérgio, Renato, conquistaram o bicampeonato paulista e foram finalistas do campeonato nacional.

Já adolescente, tive o privilégio de ver os Menudos do Morumbi, Muller, Silas, Sidney, com a arte de Careca e Pita, Gilmar no gol, a zaga mantida dos imbatíveis Oscar e Dario, o refinamento de Falcão, o timaço de Cilinho, com Carlos Miguel Aidar presidente. O São Paulo encantou o Brasil, foi base de Copa de Mundo, ao vencer mais um Brasileiro e dois estaduais, derrotando o maior rival paulista, aquele que sonha ter um dia, tudo que já conquistamos.

Ao final dos anos 80, o Tricolor se consolidava como time da década, findando com mais um título estadual, no primeiro mandato de Juvenal Juvêncio.

Mas o melhor ainda viria. Anos 90. Telê Santana, contratado pelo presidente Pimenta, junto de uma comissão técnica que marcaria época e Raí e Zetti sendo eternizados, junto de outros craques. 23 títulos ao todo, computando os campeonatos e torneios, sendo 10 de magnífica relevância. 2 Paulistas, 1 Brasileiro, 2 Recopas, 1 Supercopa, 2 Libertadores, 2 Mundiais. Com Muricy assistente de Telê e De Rey presidente, vieram a Conmebol e depois o Paulista no retorno de Raí e Nelsinho Baptista técnico, na transição de mandato para Bastos Neto.

Eram tempos difíceis. O São Paulo concorria contra co-gestões milionárias e havia passado anos destinando recursos para a reforma do Morumbi. Ainda assim, mais duas taças com o presidente Paulo Amaral, o primeiro Paulista dos anos 2000 e o inédito Rio-SP, com Levir Culpi e Vadão técnicos, respectivamente. O mundo conheceria Kaka e um certo goleiro-artilheiro iria ainda mais longe.

Já eram 10 anos ausentes da Libertadores, mas o presidente saudoso Marcelo Portugal Gouvêa, chegara pra marcar época. Conduziu o Tricolor de volta a sua obsessão, para ser novamente campeão. Tricampeão. Em um processo que envolveu vários comandos técnicos, iniciando com Rojas e Milton Cruz, passando por Cuca, Leão e Paulo Autuori. Este último, viajou ao Japão, mas o verdadeiro comandante chamava-se Rogério Ceni. São Paulo tricampeão do mundo.

Reconduzido à presidência após ser diretor de MPG, Juvenal Juvêncio entraria de vez para a história do São Paulo, ao conquistar o inédito tricampeonato brasileiro consecutivo, façanha jamais atingida por qualquer grande time do país. Ao lado de Muricy Ramalho, “aqui é trabalho, meu filho”, técnico eterno nos corações tricolores. Não eram escretes fantásticos, porém, fizeram da competitividade a sua marca.

Porém, como disse no começo dessa viagem tricolor no tempo, a vida é feita de escolhas…

Falando em tempo, existe o momento do crescimento, ápice e declínio. O juvenalismo perpetuou e o São Paulo não se encontrou mais. Apenas um título continental mediano, em 2012. E nada mais. Pelo contrário, chegaram os tempos de humilhações, vexames, vergonha.

Neste cenário perdedor, entra o atual presidente do clube, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco. Dirigente que tem a palavra “derrota”, em sua trajetória no São Paulo FC.

Não se trata de questão pessoal, é história. Desejo tudo de bom para a saúde e vida pessoal do mandatário são-paulino, mas é mister que ele renuncie ao cargo de presidente, ao qual foi reconduzido por um Conselho que também é motivo de desilusão, para a nação tricolor.

Vejamos a caminhada de Leco, como dirigente do São Paulo:

Em 2002, assumiu a diretoria de futebol pela primeira vez. Perdeu dois campeonatos diferentes, para o mesmo rival alvi-negro, em 18 dias. Filme que se repetiu em 2003, diante do mesmo adversário. MPG, sabiamente, o substituiu por JJ. O resultado todos sabem.

Porém, no São Paulo, a meritocracia do futebol é menor diante da força entre conselheiros. É a área social do clube, absurdamente, que decide o destino do futebol profissional. Leco, afastado por MPG, voltaria então com JJ, para ser vice-presidente de futebol, em 2008.

Os problemas começariam outra vez. Os resultados negativos e deploráveis também.

Muricy Ramalho sabe bem disso e acabou sendo demitido, em 2009. Ronaldo Fenômeno, no mesmo ano, disparou em rede nacional usando o termo “babaca” para se referir ao VP tricolor, em mais uma perda de título tricolor, para o rival. Tabu de 11 jogos sem vencer e tempos de tomar 5 a 0 no Pacaembu, de ciranda de técnicos, de fila de títulos. Até que JJ se cansou e tirou Leco do cargo. Um ano depois, “coincidentemente”, o SPFC voltaria a ser campeão.

Eleições 2014. Leco apoiou Aidar e foi o indicado para a presidência do Conselho Deliberativo. Se é presidente hoje, foi por essa razão inicial. Pois, após o mandato trágico do retorno de Aidar, o ex-presidente campeão do passado mas que se perdeu totalmente, Leco foi levado a presidência interina por ser o cargo maior do CD. Se elegeu em seguida, diante de uma oposição inexistente. Se reelegeu diante de uma oposição fortalecida, mas que perdeu para ela própria, em erros de campanha.

O resultado da escolha do Conselho: novamente, desastres nos campos. Em 2016, o São Paulo conseguiu ser eliminado para times de séries C e D do futebol brasileiro e teve risco de cair no Brasileiro. 2017, o enredo da vergonha se repete em escala nunca antes vista. Eliminações no estadual, na Copa do Brasil, na Sulamericana (diante de um time de bairro argentino). O maior ídolo da história do clube, Rogério Ceni, convidado pra ser técnico antes das eleições, foi exposto, viu o time ser desmanchado e foi demitido após poucos meses. O Tricolor, novamente, está na zona de rebaixamento do Brasileiro, sem rumo, desesperado, apático, mal preparado fisicamente, o Reffis deixou de ser referência, as contratações péssimas superam em muito as boas.

Leco diminui o São Paulo. O histórico não deixa mentir.

Acredito que seja são-paulino de coração. Mas está comprovado e dizem, nos corredores do Morumbi, que Juvenal sempre afirmava “não pode ser presidente”.

Não pode mesmo, JJ, esteja onde estiver.

Renuncia Leco, pelo bem da instituição São Paulo FC!

É o apelo de um torcedor que nunca esteve tão triste com o time que ama e, certamente, de milhões de iguais.

Ass: Carlos Port

Opinião Tricolor

Obs: Link com as narrativas de polêmicas de Leco http://esporte.ig.com.br/futebol/com-historico-de-polemicas-leco-perde-espaco-no-sao-paulo/n1596966203635.html

Saudações Tricolores.