Os bastidores da saída de Muricy

1428345667315

Além da saúde, outras questões culminaram na saída de Muricy Ramalho do Tricolor. Uma das justificativas encontradas no São Paulo para o mau futebol sob o comando do técnico, passa pela relação com os jogadores.

O aproveitamento nesta passagem de Muricy pelo tricolor foi de 60%. É bem verdade que salvou o time do rebaixamento em 2013 e levou o São Paulo ao vice-campeonato no Brasileirão em 2014, mas também foi eliminado pela Ponte Preta (Copa Sul-Americana 2013), Penapolense (Paulista 2014) e Bragantino (Copa do Brasil 2014).

Dentro de campo, tudo se transformou após a saída de Kaká no final do ano. Além de não mostrar um bom futebol, nem ao menos convincente, o time impressionou pela postura desinteressada e má formação tática.

Muricy teve dificuldade em organizar os treinamentos, a falta de soluções táticas e algumas escolhas do treinador também incomodavam alguns jogadores do elenco.

Nos bastidores, o treinador começou a ser muito criticado.

Após a derrota para o Botafogo em Ribeirão Preto, a idéia da diretoria era a permanência do Muricy no cargo até o final dos campeonatos europeus e ai sim contratar um técnico estrangeiro, André Villas Boas seria o nome, mas o plano foi abortado depois das declarações do Muricy na entrevista coletiva logo após a derrota de domingo.

Villas Boas atualmente treina o Zenit, é líder do Campeonato Russo e não pode deixar o cargo neste momento.

Muitos podem dizer que o São Paulo não tem dinheiro, mas Villas Boas ganha cerca de R$1.000.000 mês, ou seja, o São Paulo não está preocupado em economizar com treinador.

Falou-se então em Leonardo, Mano Menezes, Vanderlei Luxemburgo, Cuca, Abel Braga, Jorge Sampaoli e Alejandro Sabella.

Sampaoli comanda a seleção do Chile que irá disputar uma Copa América em casa.

Mano Menezes está completamente descartado pela alta cúpula e outros dirigentes dizem não ter o perfil adequado para o momento.

Leonardo, tem sua vida constituída na Europa, até aceitaria vir para o São Paulo, mas seria um bom nome para gerente de futebol, não treinador.

Cuca, deixou uma boa impressão quando passou pelo São Paulo, seus times costumam jogar bonito e foi campeão faz pouco tempo da Libertadores. O problema é que recebe R$1,1 milhão por mês na China.

Abel Braga foi a indicação de Muricy ao deixar o São Paulo, mas entre diretores e torcedores não é unanimidade.

Alejandro Sabella foi vice-campeão da Copa do Mundo com a seleção Argentina no Brasil, fala bem português e conhece um pouco mais do futebol brasileiro do que outros estrangeiros.

Wanderlei Luxemburgo é um dos favoritos pela torcida tricolor, nunca escondeu seu sonho em treinar o São Paulo, mas está empregado no Flamengo, o que dificulta as coisas, mas nem tanto assim.

Nomes colocados na mesa, uma coisa é certa, o São Paulo precisa de um grande nome, que conheça de tática e o meio dos jogadores.

Muricy, obrigado por tudo que fez pelo nosso Tricolor, seu nome está escrito na história. Faltavam apenas 61 jogos para se tornar o técnico que mais dirigiu a equipe e sabemos que você um dia voltará para completar tal feito, cuide de sua saúde e mais uma vez muito obrigado.

Diretoria, só peço um favor, decidam rápido e com consciência mas, por favor, não deixem um interino até semana que vem.

Saudações Tricolores!

Crédito-imagem: Daniel Teixeira/Estadão

Siga-me no Twitter: @arthurhendler

O fim da era Muricy Ramalho

imagem610

Olá nação tricolor!

Discorrer sobre Muricy Ramalho denota amor e ódio, paixão e raiva, glória e fracasso. Sentimento pulsante de torcedor.

Do Muricy filho de palmeirense e dizem que palmeirense quando pivete, mas que encontrou lar e guarida no novo Morumbi, de um pujante São Paulo que surgiu nos anos 70. Em 1969, já era dente de leite tricolor.

Adolescente, jovem, ascensão meteórica.

imagem1151

Logo, o profissionalismo rebelde, enlouquecendo Poy com cigarros, carros e talento boleiro nato. Uma contusão precoce interrompeu a escalada, no ano de 1977. O México seria o destino, em 1979.

No início dos anos 90, encontrou novamente o São Paulo, agora como auxiliar e discípulo de um Mestre. O maior de todos, Telê Santana.

1reproducao17

Personalidade forte, Expressinho na mão, campeão da Conmebol em 1994, eliminando rival alvi-negro com time principal e superando uruguaios campeões do mundo na final.

O Mestre adoeceu, o discípulo assumiu, mas ainda não estava pronto. Caiu em 1997, pela primeira vez. Foi rodar o planeta bola, com breve passagem na China e times do Nordeste, interior e litoral de SP e Sul do país. Quase campeão não fosse o apito em 2005, o destino estava preparando o retorno ao Tricolor.

1240574_10151823610674420_1042769333_n

2006, 2007, 2008, Tri-Hexa. Façanha imbatível no futebol brasileiro, por uma mesma equipe. Ganhar 3 campeonatos nacionais, de forma absoluta e indiscutível. Se Telê foi insuperável nos títulos internacionais, ninguém baterá Muricy nos nacionais.

Daí surgiram os bordões, a mística com a torcida, a identidade “aqui é trabalho”, a mão batida na veia.

muricy-ramalho-conquista-o-hexacampeonato-pelo-sao-paulo-em-2008-1263077550850_615x300

Mas as quedas foram se sucedendo em competições. Muitas vezes. De bicho papão da América, a freguês nacional em Libertadores. O são-paulino é exigente e não perdoa fracassos. Ainda mais, sucessivos. A situação ficou insustentável pela segunda vez.

12set2013---muricy-ramalho-acena-para-torcida-do-sao-paulo-antes-de-jogo-contra-a-ponte-preta-pelo-brasileiro-1379030899150_1920x1279

Anos difíceis para o São Paulo desde então, até o anti-climax de 2013, próximo do rebaixamento, que seria inédito e trágico. Eis que volta Muricy, com sua história e implacável empatia, para ajudar a reverter o quadro. São Paulo salvo.

Porém, novamente, eliminações sobre eliminações, algumas vexatórias. 14 vezes, ao todo, foi o rei do ponto corrido e o plebeu do mata-mata. Padrão tático defasado, time desorientado. Não faltava raça muitas vezes, faltava o que saber fazer com a bola.

622_3e74b7d4-5e6c-395b-979b-4b81b1222e95

2015, ficou impossível permanecer. A terceira queda.

Ainda mais, com a saúde precisando ser cuidada.

Obrigado Muricy, te defendi muito entre 2006 a 2009, mas hoje, era favorável ao final do seu ciclo.

Cuide de si e volte sempre ao Morumbi.

Um dos maiores ícones de todos os tempos, sem dúvida alguma!

Saudações Tricolores!

Crédito-Imagens: blog Tardes de Pacaembu, Globo, Uol, arquivo Folha.

Siga-me no Twitter: @carlosport