Marcelo Portugal Gouvêa. Eterno são-paulino.

PQAAAOcWJuJdCtn0zs-cjeh3GaIKBqJvw9ZpCIJTma1S8mqeDqtUl0-4ntuhZ4p2x1mZy3qK4Cn1MZZpQwOjQ7CEHVcAm1T1UMqAe0Lse5ZlxUhif8SFTssDRlHA

Olá nação tricolor!

Fiz esta coluna em 02 de março, data de nascimento do nosso presidente querido, o saudoso Dr. Marcelo Portugal Gouvêa. O MPG.

Dr Marcelo nasceu em março de 1938 e faleceu em novembro de 2008, com 70 anos. Teria 76, neste 2014. Ou tem, afinal, sempre está presente em nossas lembranças tricolores.

O ressurgimento do São Paulo no mundo, ocorreu com MPG. Passo a passo, depois de anos difíceis. Primeiro a volta pra Libertadores, ao final de 2003, depois o alucinante 2004 de reencontro da torcida com o Morumbi, disputando a América. Faltava um pouco de maturação para o time voltar à glória, que chegaria no ano seguinte. 2005 mágico. Campeão paulista, da Libertadores e novamente, o mundo atravessado para conquistá-lo.

Dr. Marcelo foi fundamental para tanto. Mas sua vida foi iniciada no São Paulo bem antes. Sócio desde 1960, conselheiro desde 1970, diretor administrativo com Carlos Miguel Aidar e de futebol com Juvenal Juvêncio, nos anos 80. Anos mais tarde, em 2003, as funções se invertiam. MPG presidente convidava JJ para ser o seu diretor. Uma dupla que emplacou no planeta bola.

O Centro de Referência de Atletas de Cotia, orgulho tricolor, foi inaugurado por MPG. O Reffis, outra conquista do SPFC aos olhos do mundo, também. Lugano, o Dios, foi o jogador do presidente.

E na data da sua morte, o Tricolor tinha a chance de ser hexa-campeão brasileiro. Seria injusto vencer o Fluminense naquela tarde… Por isso, o empate e o título na semana seguinte.

Com a palavra o M1to: “Seria muito injusto que ele visse o título daqui. O céu é o lugar certo para uma pessoa como ele festejar.”

Te amamos ternamente, MPG!

Saudações Tricolores!

Crédito-Imagem: Alexandre Lenz Cavalcanti

Siga-me no Twitter: @carlosport