Opinião Tricolor: A propaganda corintiana

Em 2013, publiquei uma coluna de palavras fortes, justamente, pra causar impacto pela força de sua verdade. Segue a republicação em 2017, já que nada mudou, aliás, piorou.

Segue:

frase-uma-mentira-repetida-mil-vezes-torna-se-verdade-joseph-goebbels-128146

2012.

Apenas 102 anos após sua fundação, o Sport Club Corinthians Paulista conhecia fronteiras de glórias internacionais.

Com as conquistas da Libertadores da América e do primeiro mundial reconhecidamente de direito.

Títulos fantásticos de todo reconhecimento e aplauso.

Como mereceram Internacional, Grêmio, Flamengo, Santos e São Paulo, em suas histórias.

Porém, para a imprensa brasileira, parecia que em 2012, ocorrera o primeiro título mundial do futebol, entre clubes.

Não apenas nos programas esportivos, mas em todas os programas de grande audiência da TV, extensivo para os respectivos portais de internet.

Revistas, periódicos, jornais, seguiram o mesmo caminho.

Programas dominicais, vespertinos semanais, noturnos de entretenimento, jornais, até aqueles sem vinculação ao futebol, a grade de programação inteira da TV, se tornara absolutamente corintiana.

Uma massificação exacerbada e sem limites, que saturou desde aqueles que não ligavam para futebol e chegou a cansar, até quem torcia para o então time ainda sem estádio, mas que a parceria com o governo petista, resolveu a questão.

A diferença de tratamento, dando a entender que somente existia a tal Fiel, somente aumentou o desprazer de 85% da população do Brasil que gosta de futebol, ou seja, os não-corintianos.

Qual o senso prático disso? Por quê vincular um clube mais do que os outros na TV?

Dirão: “ibope”.

Quando, a bem da verdade, é o anti-corintianismo que funciona mais.

É esta a estratégia!

Não é a torcida do Corinthians que gera os maiores públicos da TV. É quem torce contra, a massa cada vez mais enojada, com a forma que a propaganda alvi-negra toma conta das emissoras de TV, abertas e pagas.

O share em SP, por exemplo, tem transmissões que flutuam entre 24 a 22% de média*, entre os 4 grandes clubes do estado. Mas, estranhamente, a emissora detentora de direitos paga muito mais para o “clube da mídia”.

*Públicos aumentados, obviamente, em fases decisivas ou finais de campeonato.

2017.

Seguimos vivendo um tipo de lavagem cerebral no Brasil, proporcionada pela imprensa em nome do “time do povo”, que a bem da verdade, se tornou potência como “time do governo”, no período do PT no poder nacional.

O fanático Lula não poupou esforços, até disse à época que batalharia patrocinadores.

Depois, a estatal Caixa patrocinou. Que coincidência…

Administrações paulistanas seguiram o mesmo caminho, com Kassab e Haddad. 420 milhões em isenções fiscais, sem a sociedade poder reagir ou questionar.

Empréstimo de 400 milhões ao BNDES, via Caixa.

As emissoras de TV prosseguindo na desproporção de jogos e notícias.

Você acha que é só não assistir? Está enganado.

Seu time é prejudicado, mesmo que não assista.

Porque é atingido pelo desequilíbrio de exposição pelos patrocínios, vendas de jogadores, fornecedores esportivos, novos torcedores.

Tudo porque a mídia, só fala de um. Ou majoritariamente, de um.

Sim, falam de outros, quase que pra disfarçar.

Em espaços menores nas linhas editoriais.

Sobre o termo “propaganda”.

Falamos de história, de método.

No período mais terrível da humanidade, na segunda guerra mundial, a prática de contar uma mentira 1000 vezes, para se tornar verdade, foi a tática.

Atualmente, vivemos isso no contexto da bola.

Até em queda de segunda divisão, o que era pra ser vergonha, se tornou epopeia, nos roteiros televisivos alvi-negros.

Todas as torcidas vibram e sofrem, com vitórias consagradoras ou derrotas destruidoras, mas pra maioria da imprensa em suas redações, o tal “bando de loucos” sente mais, o que é a glória ou sofrimento.

A lenda urbana diz “tem que ter sofrimento pro Corinthians”. Como se todos nós, torcedores dos nossos times, não tivéssemos sofrimento.

Frisei “sofrimento” em 3 frases consecutivas, porque é assim que o fazem.

Acordem times, reajam dirigentes!

Boicotem! Exijam igualdade!

Proíbam entrevistas, participações nos circos que promovem nos horários de almoço, nas mesas redondas.

Censura? Jamais!

Defesa! Os times estão sendo lesados. Todos, sendo prejudicados em favorecimento de um só.

Igualmente, aconteceu na era do rádio, quando o favorecido era o time da capital federal, ainda no estado da Guanabara. Os frutos são escolhidos até hoje, no N/NE do Brasil.

Ou mudamos esse estado de fatos, ou assistiremos eternamente a propaganda alvi-negra, sem a opção de equidade, entre os maiores clubes do país.

Esta nas mãos dos clubes e no poder do controle-remoto do povo.

Saudações.

 

Carlos Port

Opinião Tricolor

Opinião Tricolor: Fábio Matos

21617771_1421826527932942_2808437135515304191_n

O programa da nação tricolor recebeu o jornalista e escritor Fábio Matos, autor das obras “Roberto Dias, a vida do maior jogador do São Paulo nos anos 1960″ e “20 jogos eternos do São Paulo”.

A biografia de um dos maiores símbolos em campo da tradição são-paulina, somada às lembranças épicas do Tricolor Paulista.

Uma entrevista de orgulho pelo Clube da Fé.

O momento são-paulino em 2017, as perspectivas para o restante do Brasileirão, o apoio e a crítica construtiva, marcas registradas do Opinião Tricolor.

Confira!

Saudações Tricolores!

No Twitter: @carlosport @paulinhoheavy @fabiomatos_2

Opinião Tricolor: Pintado

DImVGgtWsAAHf3V

Salve nação tricolor!

Nosso programa recebeu Pintado, campeão do mundo, bicampeão da Libertadores, pra sempre ídolo de raça e devoção ao São Paulo FC.

Hoje técnico, fez parte da comissão tricolor nas últimas temporadas, até sair recentemente após Rogério Ceni.

Carreira, bastidores, emoção, depoimentos especiais.

São Paulo raiz. Confira!

Saudações Tricolores!

No Twitter: @carlosport @paulinhoheavy

Opinião Tricolor: Oscar e Dario Pereyra

DICUSAwXgAAITkv

Salve nação tricolor!

O #OpiniaoTricolor recebeu em seu estúdio, mais uma vez e sempre com muita honra, a maior dupla de zaga da história do São Paulo FC: Oscar e Dario Pereyra.

Carreiras e cronologia de títulos, casos inusitados dos grandes atletas e de ídolos sagrados tricolores, em uma entrevista que também fez a análise do SPFC atual, com os devidos recados à diretoria da instituição que tanto amamos.

Confira!

Saudações Tricolores!

No twitter: @carlosport @paulinhoheavy

Opinião Tricolor: Torcida Independente

Inde ot

O #OpiniaoTricolor recebeu as diretorias da Torcida e Escola de Samba, da Independente.

Futebol e samba, debatidos sem censura.

A maior torcida tricolor do Brasil, no programa mais independente do São Paulo FC!

Confira!

Saudações Tricolores!

No Twitter: @carlosport @paulinhoheavy @T_Independente

Opinião Tricolor: Andreas Kisser

DG6ixewXkAAV4zv

Salve nação tricolor!

O #OpiniaoTricolor recebeu Andreas Kisser, cidadão são-paulino reconhecido no mundo, em mais uma noite do movimento Resistência Tricolor.

O São Paulo debatido na veia, o bom combate em nome do Clube da Fé.

Em nosso estúdio também, a grande vencedora do concurso #MusaOpiniaoTricolor ação parceira com a São Paulo Mania Tatuapé, a melhor loja do SPFC do Brasil.

Confira!

Saudações Tricolores!

No Twitter: @carlosport @paulinhoheavy @andreaskisser @_spfcR

Opinião Tricolor: Roberto Rojas

DF0KNaEXsAAK00W

O programa da nação tricolor recebeu o ícone Roberto Rojas, personagem emblemático na história do São Paulo e da seleção chilena.

Rojas foi goleiro, preparador de goleiros, auxiliar técnico e treinador que reconduziu o Tricolor para a Libertadores da América, após 10 anos de ausência.

Bastidores imperdíveis, de um vencedor da vida.

Confira!

Saudações Tricolores!

No Twitter: @carlosport @paulinhoheavy

Opinião Tricolor: SPFC Raiz

DEsZjyiXcAAGSi4

O programa da nação tricolor recebeu Ricardo Flaitt e Roney Altieri, do SPFC Raiz, novo projeto são-paulino que vai ao ar todo sábado, das 14h às 15h30, na rádio Trianon, 740 AM.

Em pauta, os bastidores da maior crise do SPFC. A importância do torcedor e os caminhos para o Tricolor Paulista superar a perpetuação do poder, que afunda o time cada vez mais.

Confira!

 

Saudações Tricolores!

No Twitter: @carlosport @paulinhoheavy

Opinião Tricolor: Dragões da Real

DEGIxy0XkAAvybO

Dragões da Real no Opinião Tricolor!

O programa da nação tricolor recebeu André Azevedo, presidente da Dragões da Real.

Em pauta, Rogério Ceni, o SPFC atual e seus problemas político-administrativos.

Análise dos rumos são-paulinos, para a correção de anos de desmandos, desmanches, más contratações, ciranda de técnicos e “amadorismo soberano”.

Saudações Tricolores!

 

Carta aberta ao São Paulo FC: Renuncia Leco

viole

São Paulo, julho de 2017.

Diz a máxima: a vida é feita de escolhas.

Sem dúvida que sim.

Ao longo da minha, escolhi o São Paulo pra amar, desde o nascimento. Fato que já era amor de pai e avô, porém, lembro do encanto de criança, de ver as bandeiras tricolores tremularem no Morumbi, de contar os dias para chegar a quarta-feira à noite, ou o domingo a tarde, pra voltar pro estádio. Assim cresci.

Se o espetáculo da torcida era belo, os times também eram.

Os anos 70 haviam sido fantásticos, com o Morumbi concluído e o São Paulo campeão desde Laudo Natel presidente (1970-1971) e maravilhosos jogadores como Gerson, Pedro Rocha, Toninho Guerreiro, Forlan, Roberto Dias e outros tantos, Muito pequeno, não me lembro do São Paulo de Minelli, com Henri Aidar presidente, vencer o primeiro Brasileirão, ode 1977, calando um Mineirão lotado, com o monstro Chicão, Deus da raça e a catimba de Waldir Peres, comandando 11 guerreiros.

Já estava no Cícero Pompeu de Toledo quando a Máquina Tricolor dos treinadores Carlos Alberto Silva e Formiga, com Galvão presidente e os lendários Serginho Chulapa, Zé Sérgio, Renato, conquistaram o bicampeonato paulista e foram finalistas do campeonato nacional.

Já adolescente, tive o privilégio de ver os Menudos do Morumbi, Muller, Silas, Sidney, com a arte de Careca e Pita, Gilmar no gol, a zaga mantida dos imbatíveis Oscar e Dario, o refinamento de Falcão, o timaço de Cilinho, com Carlos Miguel Aidar presidente. O São Paulo encantou o Brasil, foi base de Copa de Mundo, ao vencer mais um Brasileiro e dois estaduais, derrotando o maior rival paulista, aquele que sonha ter um dia, tudo que já conquistamos.

Ao final dos anos 80, o Tricolor se consolidava como time da década, findando com mais um título estadual, no primeiro mandato de Juvenal Juvêncio.

Mas o melhor ainda viria. Anos 90. Telê Santana, contratado pelo presidente Pimenta, junto de uma comissão técnica que marcaria época e Raí e Zetti sendo eternizados, junto de outros craques. 23 títulos ao todo, computando os campeonatos e torneios, sendo 10 de magnífica relevância. 2 Paulistas, 1 Brasileiro, 2 Recopas, 1 Supercopa, 2 Libertadores, 2 Mundiais. Com Muricy assistente de Telê e De Rey presidente, vieram a Conmebol e depois o Paulista no retorno de Raí e Nelsinho Baptista técnico, na transição de mandato para Bastos Neto.

Eram tempos difíceis. O São Paulo concorria contra co-gestões milionárias e havia passado anos destinando recursos para a reforma do Morumbi. Ainda assim, mais duas taças com o presidente Paulo Amaral, o primeiro Paulista dos anos 2000 e o inédito Rio-SP, com Levir Culpi e Vadão técnicos, respectivamente. O mundo conheceria Kaka e um certo goleiro-artilheiro iria ainda mais longe.

Já eram 10 anos ausentes da Libertadores, mas o presidente saudoso Marcelo Portugal Gouvêa, chegara pra marcar época. Conduziu o Tricolor de volta a sua obsessão, para ser novamente campeão. Tricampeão. Em um processo que envolveu vários comandos técnicos, iniciando com Rojas e Milton Cruz, passando por Cuca, Leão e Paulo Autuori. Este último, viajou ao Japão, mas o verdadeiro comandante chamava-se Rogério Ceni. São Paulo tricampeão do mundo.

Reconduzido à presidência após ser diretor de MPG, Juvenal Juvêncio entraria de vez para a história do São Paulo, ao conquistar o inédito tricampeonato brasileiro consecutivo, façanha jamais atingida por qualquer grande time do país. Ao lado de Muricy Ramalho, “aqui é trabalho, meu filho”, técnico eterno nos corações tricolores. Não eram escretes fantásticos, porém, fizeram da competitividade a sua marca.

Porém, como disse no começo dessa viagem tricolor no tempo, a vida é feita de escolhas…

Falando em tempo, existe o momento do crescimento, ápice e declínio. O juvenalismo perpetuou e o São Paulo não se encontrou mais. Apenas um título continental mediano, em 2012. E nada mais. Pelo contrário, chegaram os tempos de humilhações, vexames, vergonha.

Neste cenário perdedor, entra o atual presidente do clube, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco. Dirigente que tem a palavra “derrota”, em sua trajetória no São Paulo FC.

Não se trata de questão pessoal, é história. Desejo tudo de bom para a saúde e vida pessoal do mandatário são-paulino, mas é mister que ele renuncie ao cargo de presidente, ao qual foi reconduzido por um Conselho que também é motivo de desilusão, para a nação tricolor.

Vejamos a caminhada de Leco, como dirigente do São Paulo:

Em 2002, assumiu a diretoria de futebol pela primeira vez. Perdeu dois campeonatos diferentes, para o mesmo rival alvi-negro, em 18 dias. Filme que se repetiu em 2003, diante do mesmo adversário. MPG, sabiamente, o substituiu por JJ. O resultado todos sabem.

Porém, no São Paulo, a meritocracia do futebol é menor diante da força entre conselheiros. É a área social do clube, absurdamente, que decide o destino do futebol profissional. Leco, afastado por MPG, voltaria então com JJ, para ser vice-presidente de futebol, em 2008.

Os problemas começariam outra vez. Os resultados negativos e deploráveis também.

Muricy Ramalho sabe bem disso e acabou sendo demitido, em 2009. Ronaldo Fenômeno, no mesmo ano, disparou em rede nacional usando o termo “babaca” para se referir ao VP tricolor, em mais uma perda de título tricolor, para o rival. Tabu de 11 jogos sem vencer e tempos de tomar 5 a 0 no Pacaembu, de ciranda de técnicos, de fila de títulos. Até que JJ se cansou e tirou Leco do cargo. Um ano depois, “coincidentemente”, o SPFC voltaria a ser campeão.

Eleições 2014. Leco apoiou Aidar e foi o indicado para a presidência do Conselho Deliberativo. Se é presidente hoje, foi por essa razão inicial. Pois, após o mandato trágico do retorno de Aidar, o ex-presidente campeão do passado mas que se perdeu totalmente, Leco foi levado a presidência interina por ser o cargo maior do CD. Se elegeu em seguida, diante de uma oposição inexistente. Se reelegeu diante de uma oposição fortalecida, mas que perdeu para ela própria, em erros de campanha.

O resultado da escolha do Conselho: novamente, desastres nos campos. Em 2016, o São Paulo conseguiu ser eliminado para times de séries C e D do futebol brasileiro e teve risco de cair no Brasileiro. 2017, o enredo da vergonha se repete em escala nunca antes vista. Eliminações no estadual, na Copa do Brasil, na Sulamericana (diante de um time de bairro argentino). O maior ídolo da história do clube, Rogério Ceni, convidado pra ser técnico antes das eleições, foi exposto, viu o time ser desmanchado e foi demitido após poucos meses. O Tricolor, novamente, está na zona de rebaixamento do Brasileiro, sem rumo, desesperado, apático, mal preparado fisicamente, o Reffis deixou de ser referência, as contratações péssimas superam em muito as boas.

Leco diminui o São Paulo. O histórico não deixa mentir.

Acredito que seja são-paulino de coração. Mas está comprovado e dizem, nos corredores do Morumbi, que Juvenal sempre afirmava “não pode ser presidente”.

Não pode mesmo, JJ, esteja onde estiver.

Renuncia Leco, pelo bem da instituição São Paulo FC!

É o apelo de um torcedor que nunca esteve tão triste com o time que ama e, certamente, de milhões de iguais.

Ass: Carlos Port

Opinião Tricolor

Obs: Link com as narrativas de polêmicas de Leco http://esporte.ig.com.br/futebol/com-historico-de-polemicas-leco-perde-espaco-no-sao-paulo/n1596966203635.html

Saudações Tricolores.

 

Opinião Tricolor: Projeto Tóquio

DC91kNMXYAAXUYL

O programa da nação tricolor recebeu o publicitário Rodolfo Trevisan e o jornalista Giancarlo Lepiani, idealizadores do fantástico Projeto Tóquio, que revive as glórias dos campeonatos da Libertadores e Mundiais do São Paulo, em 1992 e 1993.

Confira!

 

Saudações Tricolores.

No Twitter: @carlosport @paulinhoheavy @projetotoquio92

 

Opinião Tricolor: Resistência Tricolor

DB17CRhWsAEIosR

O programa da nação tricolor fez debate sobre segurança no futebol, combate à impunidade e condições de responsabilidade para a volta da festa em SP.

E claro, muito bastidores do SPFC, análise, expectativas, apoio e crítica, com a presença dos delegados Drs. Ale Dias e César Saad, do DEIC.

Movimento #ResistênciaTricolor

Confira!

Saudações Tricolores!

No Twitter: @carlosport @paulinhoheavy

Opinião Tricolor: Dario Pereyra

DBSQg4eXUAAMxMi

Salve nação tricolor!

Já integrante da família #OpiniaoTricolor, a lenda Dario Pereyra participou de mais uma edição especial.

Homenagem à mística celeste, a trajetória dos uruguaios tricolores, os técnicos na carreira do grande zagueiro e uma análise do SPFC atual.

Eterno, gigante, são-paulino.

Confira!

Saudações Tricolores!

No Twitter: @carlosport @paulinhoheavy

Opinião Tricolor: Altair Ramos

DAuIw0IXYAAl0cx

Salve nação tricolor!

Nosso programa recebeu o preparador físico Altair Ramos, são-paulino de alma, profissional que bate no peito com orgulho pra dizer o time que ama, independentemente de toda sua excepcional competência, para trabalhar em qualquer grande clube do mundo.

Foram 14 anos de São Paulo FC, experiência no Japão, parceria com Moracy, convivência com Telê, Muricy e grandes ídolos tricolores.

Tempo que o SPFC “voava” fisicamente em campo.

Confira!

Saudações Tricolores!

No Twitter: @carlosport @paulinhoheavy

Opinião Tricolor: José Francisco Manssur

20170518_222855

Salve nação tricolor!

Um debate antagonista, construtivo, respeitoso, democracia plena, alto nível são-paulino, com José Francisco Manssur, no Opinião Tricolor.

Também a presença de Layla Reis, proprietária do spfc.net, o site mais visitado pela torcida do São Paulo FC, convocando o movimento #UnidosPeloSPFC.

Confira!

Saudações Tricolores!

No Twitter: @carlosport @paulinhoheavy

Opinião Tricolor: Erovan Tadeu

C_CCe-yXgAAM_jg

Salve nação tricolor!

O Opinião Tricolor recebeu o conselheiro Erovan Tadeu, que trouxe toda são-paulinidade de décadas de bons préstimos ao São Paulo.

Em debate, os caminhos da profissionalização da diretoria do clube, os novos conselhos de administração e fiscal, as expectativas do futuro tricolor.

Confira!

Saudações Tricolores!

No Twitter: @carlosport @paulinhoheavy @erovan62

Opinião Tricolor: Homero Bellintani Filho e Felipe Morais

18198365_10212113505783190_3829005167814198563_n

Salve nação tricolor!

Noite de elegância em nosso programa.

Com muita honra, recebemos um personagem que podemos chamar de história viva do São Paulo, retratada na devoção do conselheiro Homero Bellintani Filho, com seus sensacionais relatos e arquivos, daqueles que construíram os primeiros alicerces do Mais Querido.

Enobrecendo também os entrevistados, Felipe Morais, autor do livro “Ao Mestre, com carinho”, emocionante narrativa dos caminhos de Telê Santana, eterno em nossos corações tricolores.

Confira!

Saudações Tricolores!

No Twitter: @carlosport @paulinhoheavy @usamaquinas @plannerfelipe

Editoral Opinião Tricolor: Leco eleito. Boa sorte, mas já dizia Magno Malta…

bandeira-sao-paulo-2_1_630

Salve nação tricolor.

Em noite de pleito apertado (considerando votos válidos, 123 a 102 (54% a 46%), a situação se manteve no poder no São Paulo.

Leco está eleito e desejamos toda boa sorte em seu novo mandato. É dever de todo são-paulino que só pensa no bem do clube e do time.

O voto dos conselheiros (daqueles que pensaram somente no SPFC e não em suas benesses pessoais) é democrático no regimento tricolor e deve ser respeitado.

Quanto a Pimenta, saiu ovacionado da votação, aplausos maiores a ele do que ao próprio vencedor. Algo muito indicativo se viu ali. A oposição do SPFC, enfim, renasceu.

Mais do que isso, terá mais força com os Conselhos de Administração e Fiscal, órgãos internos que terão muito mais poder que antes. Com o Novo Estatuto, devidamente aplicado (é o que todo são-paulino deve cobrar). Auditoriais anuais independentes estão previstas, contratos passarão pelo crivo desses conselhos. O regime segue presidencialista, mas o paternalismo tem tudo pra diminuir.

No mais, o São Paulo reelegeu não só Leco, mas a perpetuação do poder que ele representa. São os mesmos que comandam o SPFC desde os mandatos de Juvenal Juvêncio (e até antes, com Marcelo Portugal Gouvêa). Estes dois últimos, tiveram ascensão, glórias e declínio. Saudosos, não estão mais entre nós. Mas deixaram seus discípulos, que comandam o Tricolor.

O aparelhamento e a máquina que possuem na mão foram determinantes. Não existe outra explicação. Afinal, é incoerente dar vitória àqueles que estiveram sempre presentes nas administrações a partir de 2009 (salvo raras caras novas), fase que começou o ocaso da era JJ. Já são 34 campeonatos desde então, com 33 eliminações antes da final e apenas 1 decisão. Foram perdidos 8 Brasileiros, 9 Paulistas, 5 Libertadores, 1 Recopa, 6 Copas do Brasil e 4 Sulamericanas. Um time do tamanho do São Paulo jamais poderia passar por isso. São marcas vexatórias demais. Sem contar o histórico de polêmicas do eleito, desde 2002…

Mas, são águas passadas e pro bem do São Paulo, deve-se virar a página.

Porém…

Quando Dilma venceu as últimas eleições, em parecidos 54 milhões de votos a 51, Aécio Neves foi recebido de volta ao Senado (não se trata de defender o tucano, muito menos a petista).

Na oportunidade, Magno Malta, senador brasileiro de discursos brilhantes, fez menção ao retorno do tucano derrotado, com uma oratória digna de aplaudir de pé.

Dizia Magno que a melhor coisa que poderia ter acontecido para ele, Aécio, seria não vencer. Que a derrota com grande votação (que demonstrara que o povo estava cansado e esgotado do PT) foi um “livramento”. Pois o PT destruíra o país e seria injusto Aécio pagar a conta (assim como Temer paga agora).

Fato dos fatos: o São Paulo, do ex-petista JJ que, assim como Lula no país, foi o pai deste governismo tricolor, é o microcosmos do Brasil.

Leco merece ter o seu mandato completo, portanto. Para não dizerem que foi apenas, presidente tampão, apesar de estar a quase 20 meses no poder.

Neste período, muita bravata e pouco resultado. Disseram que a dívida do São Paulo diminuiu quando, comprovadamente, aumentou (leitura obrigatória de blogs como do PVC, Olhar Crônico Esportivo e Época Esporte Clube). Os patrocínios, que forraram a camisa, minguaram em valores. O master saiu e deu lugar, de forma surreal, a marca que paga valor menor na manga. Outra marca que anunciava no calção, sequer pagou. Com isso, a camisa só perdeu valor no mercado. Fora que ficou horrível, esteticamente. O manto tricolor não pode ser vilipendiado.

Os resultados com Leco, pavorosos: assim que assumiu, ainda em 2015, levou 6 a 1 em Itaquera e foi eliminado (mais uma vez) pelo Santos, na Copa do Brasil, seguindo a triste trajetória deste grupo político dominante no SPFC. A situação ainda caiu com o time praiano no Brasileiro 2002 (quando Leco era o diretor de futebol), nos Paulistas de 2010 e 2011 (quando Leco foi o VP de futebol). Jogos terríveis na nova casa palmeirense, durante todo período de Aidar e Leco, na presidência. O pior: eliminações para times de divisões nacionais série D (Paulista 2016) e série C (Copa do Brasil 2016). Por fim, a campanha que assustou a nação tricolor, no Brasileirão passado, com muitas rodadas à beira do rebaixamento. Único período positivo: a Libertadores 2016, onde o SPFC chegou as semifinais (mesmo com 5 derrotas ao todo). Mas foi a fase que o time andou após Leco afastar Ataíde e Gustavo do futebol e trazer Luis Cunha. Este, não suportou o poder paralelo que se mantinha ao seu planejamento e não resistiu, de forma justa, pela quebra de hierarquia. O time voltou ao comando anterior, não se reforçou como deveria na parada da competição e a desclassificação ocorreu, diante do Atlético Nacional.

Em 2017, Ceni, Pratto e Jucilei, foram acertos diretivos, sem dúvida alguma. Mas falta muito para o São Paulo ser visto como time respeitado, novamente. Contratações ruins novamente superaram as boas, em quantidade. Na semana da eleição, o time sofre para reverter dois resultados deploráveis no Morumbi, diante de uma média de 45 mil são-paulinos, por partida, nos mata-matas de Copa do Brasil e Paulista.

Com tudo isso e mais um pouco, é Leco e seus felizes diretores e conselheiros, que precisam ter essa “reconstrução” que tanto dizem. Nenhum outro deveria ter essa responsabilidade.

Não existem mais as desculpas do passado, ao melhor estilo petista de dizer que a culpa era de FHC. Agora são anos de sua governança e a responsabilidade é integral desta diretoria.

A grande ironia: Leco só se tornou presidente interino, provisoriamente eleito e finalmente eleito para um mandato completo, porque a situação de JJ e Carlos Miguel Aidar, o indicaram no pleito 2014, para a presidência do Conselho Deliberativo. Com isso, adquiriu estatutariamente o direito de presidir o clube e convocar eleições, quando da renúncia do período trágico de Aidar.

Hora então, presidente Leco, de provar que era merecedor de tudo isso que está acontecendo em sua vida.

Com o apoio incondicional ao time nos 90 minutos de cada jogo e cobrança sobre tudo aquilo que o São Paulo FC precisa evoluir, sobretudo, com o novo estatuto.

O futuro breve dirá.

Saudações Tricolores!

 

Carlos Port

Opinião Tricolor

No Twitter: @carlosport

Opinião Tricolor: Ópice Blum

C8xsL-bWAAEuCeQ

O Opinião Tricolor recebeu o conselheiro de seis décadas de amor ao SPFC, Dr. Ópice Blum.

De carreira jurídica brilhante, advogado, juiz, desembargador, causídico conhecedor da lei que preside o Comitê de Ética do São Paulo FC e é candidato à presidência do Conselho Deliberativo.

Um programa contundente, revelador, com esclarecimentos fundamentais de assuntos importantíssimos, dos bastidores do Mais Querido.

Imperdível, confira!

Saudações Tricolores!

No Twitter: @carlosport @paulinhoheavy

Opinião Tricolor: Pimenta

imagem-spfc-facebook

O programa da nação tricolor recebeu o presidente bi-mundial e candidato na eleição 2017, José Eduardo Mesquita Pimenta.

Histórico de trajetória no Tricolor, projetos e pilares das propostas da governança, polêmicas esclarecidas.

Uma entrevista obrigatória para todo são-paulino, independentemente da posição política que prefiram.

Confira, na íntegra!

Saudações Tricolores!

Opinião Tricolor: Casal SPFC

C7FYY3dWkAAoa0x

O Opinião Tricolor, ainda preparando o estúdio novo na allTV, fez o segundo programa da temporada 2017, recebendo os queridos Gustavo e Patrícia, o casal mais famoso do Instagram (@casalspfc), que também terão programa na nossa TV da Internet.

Muito debate e análise do nosso SPFC. Confira!

 

Saudações Tricolores!

No Twitter: @CarlosPort @PaulinhoHeavy @casalspfc

 

Opinião Tricolor: Luis Cunha

LUIS CUNHA ALLTV

Olá nação tricolor!

O programa Opinião Tricolor entrevistou o ex-diretor de futebol Luis Cunha, responsável direto pelo melhor período que o São Paulo atravessou, na temporada 2016.

No bate-papo, com muita contundência, declarações fortes e transparentes, contendo emoção de torcedor apaixonado pelo Tricolor, Cunha revelou as razões do seu sucesso e os motivos que o levaram a sair da direção do clube.

Casos Cueva, Maicon, a luta pessoal para manter Ganso, o relacionamento com a diretoria de Leco, Gustavo, Ataíde, Manssur, Pinotti, Medicis, Jacobson e outros.

O desejo de sucesso para Rogério Ceni e o anseio pela aprovação do projeto do novo estatuto.

Imperdível e obrigatório para todo são-paulino, disposto a saber a verdade dos fatos.

Confira!

Saudações Tricolores!

Siga-nos no Twitter: @carlosport @paulinhoheavy @aninhasauma

Opinião Tricolor: Olten Ayres de Abreu Jr

Salve nação tricolor!

O programa Opinião Tricolor segue com seus preparativos (reforma para o novo estúdio) mas fizemos questão de realizar, ainda em 2016, 3 programas pelo debate fundamental do projeto do novo estatuto são-paulino.

Neste primeiro, recebemos Olten Ayres de Abreu Jr, sócio titular desde 1978, filho do lendário árbitro Olten, conselheiro atuante do SPFC, que já atuou em diversas áreas do clube, jurídico, mkt/com, diretoria internacional e hoje preside a comissão legislativa.

Em foco, as questões primordiais do estatuto que vai (se aprovado) revolucionar o São Paulo, na recondução do Tricolor ao patamar de vanguarda nacional.

Entenda como funcionariam os novos rumos diretivos do clube, como Conselho de Administração, o Conselho Fiscal, a profissionalização, a transparência. Os estudos visando maior participação dos sócios e até STs, nas futuras eleições. Entre outros assuntos de grande relevância.

O Opinião contou ainda com a estréia de Paulinho Heavy, veia metal no programa, muita vibe e conhecimento são-paulino de décadas de amor ao SPFC. Fundador da Metal Tricolor, o Chicão da Matrix (quem se lembra?) e Ana Sauma, a são-paulina que representa a personalidade da mulher são-paulina, em suas opiniões sempre cheias de charme e estilo.

Confira!

Obs: pedimos desculpas por uma pequena falha de velocidade do servidor no clipe de abertura do programa, que afetou alguns navegadores. Prometemos corrigir em nossas novas instalações.

Saudações Tricolores!

https://www.youtube.com/watch?v=mFQU5Aef5x4

Siga-nos no Twitter: @carlosport @paulinhoheavy @aninhasauma

Opinião Tricolor: Alex Bourgeois

imagem-spfc-facebook

O Opinião Tricolor entrevistou, com exclusividade, Alex Bourgeois, ex-CEO do São Paulo FC, para maior conhecimento da torcida e esclarecimentos de fatos relevantes da sua passagem pelo Tricolor, desde a chegada ao clube, até o atual processo movido pelas suas demissões. Bastidores, política, poder.

Confira!

1) Alex, você define a sua atividade profissional, nas redes sociais, com a seguinte descrição: “Executivo e Gestor de futebol. Defende a gestão profissional como único caminho para poder competir em igualdades de condições no futebol globalizado.”

O que te impediu de levar estes conceitos ao São Paulo?

Em primeiro lugar, a gestão do clube é amadora, antiga, ultrapassada. Quando eu chamo de amadora, quero dizer que os interesses das pessoas estão acima dos interesses da instituição. Esse perfil de presidente de clube personalista, autoritário, que contrata conselheiros amigos, remunera e chama isso de profissionalização, não tem mais lugar no mundo do futebol. Em segundo lugar, a questão política. O SPFC é hoje um clube muito dividido, se tornou uma agremiação política que também joga futebol.

2) Para a nação tricolor entender a sua trajetória no clube, conte como foi a sua chegada e saída do SPFC, por favor. Nas duas fases, com Aidar e Leco.

Após conversar com Abílio, o Aidar me convidou para implantar a gestão profissional no clube. Montei um plano de ação imediato e um planejamento para implantar essa gestão e modernizar conceitos. Mas tanto no futebol como na gestão administrativa a resistência foi imensa. O viés autoritário de um homem mandando sozinho, como se fazia no passado, e tomando todas as decisões foi um enorme obstáculo à minhas propostas de transparência, compartilhamento das decisões, integração das áreas e da tomada de decisão.

3) Abílio Diniz, talvez o empresário de maior porte são-paulino, é constantemente vinculado às suas passagens pelo Tricolor. Diniz é um dos notáveis do Conselho Consultivo. Recentemente, levou conceitos e sugestões de gestão, em sessão extraordinária, ao clube. No seu entender, qual a importância de se ouvir Abílio, que clama pela profissionalização no Tricolor?

Abílio é um empresário muito bem-sucedido. Tem uma experiência incrível e quer passar essa experiência em gestão, em como ter sucesso, em como transformar o SPFC no maior do mundo como ele fez com as empresas dele. Esse é o legado que ele gostaria de deixar para o clube. Acredito que qualquer clube do Brasil, e do mundo, gostaria de ter seus conselhos. Ele está oferecendo isso de graça ao SPFC. É um grande são-paulino, um apaixonado.

4) Na sua opinião, o quão Abílio Diniz foi importante na transição de poder do SPFC? Do processo que culminou na renúncia de Aidar à aceitação do cargo, pelo atual presidente, Leco?

Quando fui demitido por Aidar, inclusive no episódio mais lamentável da minha vida profissional com ameaça física e de baixíssimo nível, fui procurado pelo Leco e os que estão na gestão atual. Queriam minha ajuda para desenvolver a gestão profissional e me convenceram a voltar ao SPFC. Nesse período fiquei bastante próximo do Leco, inclusive escrevi o plano de gestão, que foi sua plataforma eleitoral, com todos os conceitos de profissionalização. O apoio do Abílio foi determinante nessa transição.

5) Complementando, à época, a diretoria atual teria mais dificuldades em assumir o SPFC, se não fosse o préstimo e peso de Abílio Diniz?

Na renúncia do Aidar, o Leco e vários membros da atual diretoria procuraram o apoio do Abílio para uma nova gestão com os conceitos de governança e profissionalização dele. Abílio foi muito leal e ajudou muito o Leco.

6) Enquanto esteve no São Paulo, na condição de CEO, você participou de decisões diretivas efetivamente ou foi boicotado em algum momento? Em caso de resposta afirmativa sobre boicote, poderia mencionar onde encontrou mais dificuldades de informações para se montar um plano otimizado de gestão? Ou teve acesso a tudo que precisou?

Acesso as decisões e aos dados financeiros eu tive. Não tive foi acesso aos meios e apoio para implantar a profissionalização no clube. A administração se sentia ameaçada, não queria conceitos modernos, não queriam compartilhar decisões, não queriam transparência. Cada um queria defender seu feudo e mandar sozinho fazendo o que bem entendesse.

7) O que, de fato, ocorreu para a sua segunda demissão do clube? Você acredita que tenha sido usado politicamente e depois descartado? Seus críticos falam em vazamento de informações, o que tem a dizer a respeito? Notícias seguem vazando do SPFC após a sua saída, onde será que o “encanamento” estaria furado?

Quero deixar claro que nunca vazei nenhuma informação e que os jornalistas que deram as duas noticias sabem que eu não fui a fonte. Acredito que o Leco me trouxe de volta para não atrapalhar sua eleição, assim que assumiu a presidência me demitiu. Gestão profissional e o Leco são coisas que não combinam. Esse é o modo antigo de administrar que está com os dias contados no Brasil assim como aconteceu na Europa. Com o novo estatuto, o próximo presidente terá que compartilhar decisões, aceitar auditoria externa, aceitar o acompanhamento da gestão pelos verdadeiros donos: os sócios e torcedores, ter uma gestão transparente, aceitar prestar contas, ser responsabilizado pelos seus atos e não poder mais tomar decisões em conchavo.

8) Por fim, veio a público a questão do processo movido contra o São Paulo. O que o levou a tomar essa decisão?

O Brasil tem leis. Contrato se cumpre. Gestão profissional é mandar embora e cumprir o contrato. Gestão amadora, autoritária, antiga e ultrapassada é demitir e mandar buscar seus direitos na justiça, que foi o que Leco me disse. E foi o que fiz.

9) Publicamente torcedor do Flamengo, você tem filhos são-paulinos. Acredita que o São Paulo voltará a ser o gigante do passado? O que é necessário acontecer para isso?

Meus filhos são são-paulinos porque eram pequenos na época do mundial e do tri brasileiro. Acho isso ótimo. Quem tem filho sabe que é muito mais difícil seus filhos sofrerem pelo mau momento do time do que você com seu próprio time. Tenho convicção que só uma gestão moderna e profissional com sistema de governança corporativa levará o SPFC a se tornar um gigante de novo. Mas essa mudança também fará o Tricolor liderar o processo de mudança necessária no futebol brasileiro e se tornará um dos maiores do mundo.

10) Deixe sua mensagem ao torcedor tricolor.

A reforma estatutária é o caminho para modernizar e profissionalizar o SPFC. Os torcedores e sócios devem se informar e trabalhar pela sua aprovação. Somente assim teremos chance de competir em igualdade de condições com o futebol rico e globalizado. Os tempos mudaram. O SPFC é um clube espetacular, o sócio e o torcedor precisam entender que eles são os donos, não é o presidente. Eles são os donos da mudança, o futuro do clube está em suas mãos, não ignorem isso, lutem por ele. O Clube não é de um grupo de pessoas que querem se perpetuar no poder por benefício próprio, por ego, por vaidade ou por sonho. O clube tem como principal função retribuir com profissionalismo, transparência, gestão eficiente e muitos títulos a paixão que os torcedores dedicam e investem a cada jogo. O futebol está globalizado, os times europeus têm 10x o nosso poder de compra. Se não modernizar, não profissionalizar com os melhores talentos do mercado, nosso futebol vai piorar ainda mais. Esse é o caminho da vitória.

 

Saudações Tricolores!

Opinião Tricolor

O protesto: Constituição, excessos, cortina de fumaça

Cq39Ol3WAAEZuGC

Salve nação tricolor.

Diz a Constituição brasileira:

“Todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente”. (artigo 5º, inciso 16).

Assisti sábado pela manhã, no CT da Barra Funda, local de treinamentos do São Paulo, o cumprimento de diversas premissas do direito ao protesto. Não existiam armas, não era necessária a autorização, pois nada estava marcado para o mesmo local (avenida Marquês de São Vicente), o SPFC tinha conhecimento prévio, pela divulgação das organizadas. Nada foi feito às escondidas, personalidades, jornalistas, blogueiros, comunicaram presença nas redes sociais. O próprio São Paulo FC solicitou reforço de segurança, que estava presente sim, ao ato.

Sobre o famoso ator Henri Castelli, que o SPFC diz pretender processar, pelo fato de ter conclamado a torcida para participar do protesto, vale citar um editorial de junho de 2013, do periódico Cruzeiro:

“Não está entre as prerrogativas das autoridades usar a Polícia Militar ou a Guarda Civil para tentar silenciar as vozes discordantes… é imprescindível que o poder político reveja a orientação dada às forças de segurança, para que só sejam coibidos, de maneira profissional e focada – com a devida identificação e prisão dos autores -, os atos de depredação e vandalismo, jamais o direito constitucional de se reunir e se manifestar”.

Um pouco mais da nossa Carta Magna, referente não somente à Castelli, mas a todo são-paulino que expressa sua indignação, seja onde for:

“Art.5º: Todos são iguais perante a lei, sem distinção de nenhuma natureza, garantindo-se aos brasileiros e estrangeiros residentes no país a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e a propriedade, nos termos seguintes: …

IX – É livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”.

Portanto, baseado na lei, amparado pela liberdade de expressão de um país que não é ditatorial (muito menos um clube de futebol), torcedores são-paulinos protestaram no Centro de Treinamento. De abastados a povão, de gente simples a letrados, diferentes entre si, mas com a mesma razão e sentimento: o São Paulo FC.

Segue o relato do que vi:
A ação ocorria na frente do CT são-paulino e somente do lado de fora, até que todas as torcidas organizadas e demais torcedores que lá estavam, se reuniram na frente do portão de acesso do clube.
Da avenida Marquês de São Vicente, na mesma faixa de via onde estava presente com centenas de torcedores, presenciei o portão do CT ser aberto.
Repito, de onde estavam centenas de torcedores, do lado de fora, não pareceu ser invasão forçada, com o portão tentando ser arrombado ou destruído (o clube relata que foi quebrado). Nenhum torcedor tentou pular muro ou o próprio portão. Atitudes como chutes, socos, pontapés, que seriam dignas de repressão policial, também não foram vistas da avenida.
De qualquer forma, é um relato de cerca de 20 metros do local, onde havia uma massa humana na frente. Por isso seria importante o São Paulo disponibilizar às autoridades, imagens filmadas da sua segurança, para comprovar tal impressão. Se, ao contrário do que pareceu, for mostrado que tentaram vandalizar o portão, que os responsáveis nas filmagens sejam identificados e punidos.
Importante ressaltar: após a abertura dos portões, existiam seguranças do clube e policiais militares no CT. Nenhuma retaliação ocorreu, ou tentativa de impedimento. Foi possível ver, da avenida, que torcedores entraram tranquilamente pela alameda que leva ao estacionamento do centro de treinamento, em bloco, poucos correndo, maioria caminhando, sem agressões ou confronto algum.
Então adentraram gramado, campo de treino. Esta situação, ao meu ver, não deveria ter ocorrido jamais. Ali o protesto perdeu limites, sim. Porém, algumas considerações merecem ser feitas, a partir deste instante:
1) foram relatadas e vistas (em vídeo de celular exposto nas redes sociais) algumas leves intimidações a alguns jogadores: o monitoramento existiu, portanto, a identificaçãoindividualização de cada um que praticou ato de violência, é fundamental e deve ser exigida em forma de sanção. Bem como, punição aos responsáveis pela subtração dos poucos objetos que o São Paulo FC afirma terem sido furtados.
2) policiais militares estavam presentes no gramado também, andando entre os manifestantes. Nenhum registro de confronto ocorreu.
3) a ação de saída do gramado parece ter sido claramente ordenada pelas lideranças das organizadas e transcorreu, novamente, pacificamente entre torcedores e policiais, que lá estavam com viaturas do Batalhão de Choque.
Qual o saldo disso tudo?
Primeiro, a consolidação do conceito de que o protesto era legítimo, conforme as leis brasileiras.
Segundo, atos que ultrapassaram a ação pacífica do ato, devem ser investigados e responsáveis processados, sem generalizar toda ação.
O torcedor são-paulino não suporta mais anos de humilhação, consequência de gestões desastrosas e incapacidade de quase todos, dirigentes, treinadores e atletas, de honrar a tradição do time mais vitorioso do Brasil. Sempre existirão, claro, as boas exceções que entendem a dimensão do que é o São Paulo FC.
Raí, ídolo eterno, afirmou neste ano de 2016 que “falta alma”.
Falta muito mais, Terror do Morumbi, falta capacidade! Profissionalização, respeito.
Vivemos uma era de anos de poder perpétuo, com apenas uma sórdida dança de cadeiras, daqueles que o detêm.
Conselheiro expulso pode ser diretor, executivo que nunca ganhou nada em 4 temporadas, pode continuar fracassando na montagem de elencos.
Querem que quase 20 milhões de torcedores, fiquem calados diante de tamanho ataque à honra são-paulina.
Esta sim, a maior atingida, ao longo dos últimos anos.
Por fim, o apelo:
Que a instituição São Paulo FC não transforme o protesto legítimo dos seus torcedores (onde excessos devem ser duramente punidos) em cortina de fumaça e transferência de responsabilidade. Ao mesmo tempo, que excessos sejam punidos na forma da lei.
Não foi e não será o desabafo de centenas, ecoado por milhares/milhões, o responsável pelo futebol deplorável do São Paulo.
O problema não é perder, isto é do futebol. É como se perde.
Eliminações vexatórias como nunca vistas na história do Tricolor, ano após ano, seguem ocorrendo. Sejam para times de divisões inferiores, sejam para rivais históricos. Ninguém mais respeita o São Paulo, nem em seus domínios, pela administração lastimável do futebol do clube.
Deploravelmente, do terceiro mandato de Juvenal Juvêncio adiante. Aidar também sucumbiu nos gramados e escândalos e com Leco, a vergonha continua quando o Tricolor entra em campo.
Detalhe: falamos de 3 presidentes, JJ, Aidar e Leco. Os cargos diretivos que contribuem para tal situação lastimável, são formados, em sua maioria, pelas mesmas pessoas. Sobretudo, pós 2013, no departamento de futebol. Ressalte-se um viva, às boas exceções que realizam um bom trabalho pelo clube. Nem todos tem se demonstrado incapazes.
O final de 2016 segue perigoso e tenebroso para o Tricolor que amamos, na questão do risco ao rebaixamento.
Por isso bradamos, por isso, seguiremos lutando pelo resgate do São Paulo aos seus verdadeiros donos, a torcida!
Saudações Tricolores.
Carlos Port – Opinião Tricolor

Opinião Tricolor: Manssur e Chapéu

13886431_1046861702016336_1484458705917799003_n

O Opinião Tricolor recebeu o vice-presidente de comunicações e Marketing. José Francisco Manssur e Newton Luiz Ferreira, último candidato da oposição à presidência do clube.

Em debate, a convocação da Assembléia Geral Extraordinária, que decidirá sobre Reforma do Estatuto Social e ratificação ou não, de atos estatutários sub-judice.

Uma grande noite de esclarecimentos, para o futuro do São Paulo FC.

Confira!

Saudações Tricolores!

https://www.youtube.com/watch?v=2ZVDIqyjrlQ

Opinião Tricolor: Dorival Decoussau

58 dorival

O Opinião Tricolor recebeu o conselheiro vitalício Dorival Decoussau, ex-diretor de marketing, comunicação e relações institucionais do São Paulo FC. Uma vida de 63 anos dentro do Tricolor paulista.

Uma grande aula de são-paulinidade.

Confira!

Saudações Tricolores!

Opinião Tricolor: Roberto Rojas

54 Rojas

Rojas.

Descobri que o futebol que corre na minha veia, ainda tem razão de ser.

Muitos dizem, “futebol moderno é um lixo, hoje é só dinheiro, competição de tatuagens, brincos de joias, chuteira colorida, cabelos estilosos, fortunas, violência de torcida mesmo com festa proibida” e outras coisas pejorativas a mais.

Mas não, senhores e senhoras, futebol ainda é sangue que bombeia o coração, jamais será só um esporte. É luta, devoção, causa, daqueles que jogam a pelada na rua que virou society, na quadra, no campinho que ainda resta. É torcer pro time que se ama. É explicar o inexplicável.

Cobro os mais novos no Opinião Tricolor. Graças a Deus, somos honrados com audiência de milhares todas as semanas, mas muitos dos mais jovens se afastam do interesse, quando é um jogador antigo. Quando é um programa de história, de homenagem.

A estes, revejam atitudes: “As tuas glórias, vem do passado”.

Passado de herois como Rojas, alma Colo Colo e coração também tricolor, “a segunda casa”, por ele mesmo.

Venceu no esporte, superou o erro, voltou no extra-campo, ajudou sobremaneira um gigante adormecido, acordar para a Libertadores novamente.

Roberto Rojas veio ao Opinião Tricolor e falou de ídolos consagrados ao roupeiro, com a mesma gratidão.

O respeito demonstrado pelo futebol e pelo São Paulo, denotam conhecimento de uma vida.

Fica a minha gratidão e o convite, assistam, quando o programa for ao Youtube.

Aos que já viram ao vivo, o meu muito obrigado e parabéns, por terem vivenciado o que Rojas nos proporcionou.

Obs: começo animal do programa, vida longa ao Rock’n'Roll, viva Paulinho Heavy!

Saudações Tricolores!

Carta Aberta ao Conselho do SPFC, a hora da virada!

escudo

São Paulo, maio de 2016.

Com sentimento retomado de respeito e orgulho ao manto sagrado tricolor, direciono esta Carta Aberta, aos nobres conselheiros do São Paulo FC.

Respeito perante a família tricolor que me ensinou e ensino a ser SPFC.

Orgulho pelo vermelho, branco e preto, voltar ao protagonismo de vitórias e esperança.

A nação tricolor, em seu universo gigantesco e sem fronteiras, de cerca de 20 milhões de torcedores espalhados pelo mundo, precisava voltar a vibrar. Assim tem feito, em apoio ao Clube da Fé.

Mas não foi fácil essa transformação que ocorreu, principalmente, pelo bradar de vozes das arquibancadas, redes sociais, torcedores organizados, sócios torcedores, torcedores comuns, todos com o mesmo valor, que não suportavam mais o estado de coisas que pairavam no Morumbi.

Círculo vicioso de poder, em detrimento da profissionalização, tão mister ao futuro do clube!

Profissionalização jamais será infantilidade por quem a defenda, isso precisa ficar muito claro ao presidente Leco e sua diretoria.

Brincamos de profissionalizar, perdemos dinheiro e podemos perder ainda mais, em esfera judicial, por desmandos diretivos.

Se os avanços dentro do campo ocorreram, não foi por uma limpeza total de condutas, pois elas ainda persistem, em algumas situações, fora do gramado.

Em primeiro lugar, os protestos surtiram efeito! Por eles, o time mudou.

A vice-presidência de futebol ficou vaga por força da torcida que exigia a saída de Ataíde Gil Guerreiro, dois dirigentes, um oriundo de base, Luiz Cunha outro símbolo boleiro, Pintado, chegaram e fizeram a diferença.

Vitórias começaram a ocorrer, confiança, efeito El Morumbi Te Mata na Libertadores, clássico vencido no Brasileiro.

Identidade.

Ocorre que para que esta evolução seja plenamente verdadeira, arestas precisam ser ainda aparadas, por parte do Conselho tricolor.

Pois este Conselho votou pela expulsão de Carlos Miguel Aidar e Ataíde Gil Guerreiro dos seus quadros. O que a diretoria fez? Reconduziu Ataíde ao cargo de diretor de relações institucionais, ironicamente, criado por Aidar. Como dirigente boleiro, fracassou no vestiário, ao lado de Gustavo, até a sua tardia destituição.

Como, em sã consciência, um conselheiro expulso pode representar uma instituição? Uma vergonha.

Doravante, temos um marketing que conseguiu avanços, como o tão pretendido patrocínio master. Ocorre que a diretoria de marketing segue longe de um modelo profissional, tão necessário ao clube. Não podemos ter um executivo recebendo apenas, abaixo de uma linha hierárquica de vice-presidente e diretor da pasta. Não é assim que se cria plano de ação eficiente, eficaz e do tamanho do São Paulo FC que não consegue, sequer, explorar seus ídolos economicamente, gerando receitas. Com todo respeito ao Manssur, Vinicius Pinotti e o remunerado Alan Cimerman, não é este o caminho. Profissionalização ou é integral, ou é remendo.

Por fim, o trabalho de Gustavo Vieira de Oliveira, que tem “seus” reforços de 2016 mostrando bons resultados. Mas a sua forma de remuneração segue não condizente com um clube que diz priorizar a recuperação econômica e recontrata um executivo ganhando muito mais do que quando foi demitido, sem nenhum plus na carreira no período que esteve fora para justificar tal incremento de salário e o pior, complementado com bônus em venda de atletas, segundo palavras do próprio presidente.

Não seria o tempo de virar a página nessas práticas no São Paulo?!

Justamente agora que o time reagiu, a camisa envergou o varal, a América teme novamente o Tricolor?!

Vamos dar realmente o exemplo completo?!

Em tempo, quando vamos blindar nosso SPFC da ação vil e torpe da mídia anti? Que segue sistematicamente atacando o clube, querendo colocar estigmas preconceituosos na torcida e ainda são recebidos de braços abertos, ou tem seus convites aceitos nos circos que promovem em seus programas de rádio e TV? Chegamos ao cúmulo de um rival assumido em nossa casa, toda segunda-feira, tripudiando o nosso amado estádio do Morumbi. Assessoria e comunicação, preservem o São Paulo!

Ou seguiremos contando com superações no campo, luta dos jogadores e devoção do torcedor, enquanto se perpetua a dança das cadeiras, na área diretiva?!

Com a palavra, os senhores conselheiros que realmente amam o São Paulo FC!

Cobrem a profissionalização! A entrega dos balancetes jurídicos, o caso Prazan, o fim das comissões e bonificações em transações de futebol.

Aí sim, acreditaremos em um São Paulo forte, dentro e fora de campo, como sempre foi!

Saudações Tricolores!

Carlos Port – Opinião Tricolor

Opinião Tricolor: Waldir Peres

DSC_0006

O Opinião Tricolor recebeu Waldir Peres, segundo atleta que mais vestiu a camisa do São Paulo na história, 617 vezes.

Foram 3 títulos paulistas e 1 título brasileiro no período, além de representar o Tricolor paulista na lendária seleção brasileira de 1982.

Confira!

Opinião Tricolor: Dragões da Real

CgCr2O4W4AAK-bk

O programa da nação tricolor recebeu André Azevedo, presidente da Dragões da Real e da Associação Nacional das Torcidas Organizadas.

Aurélio Mendes, idealizador do projeto Isto É SPFC, fez sua estreia como integrante da bancada do programa.

Confira!

Saudações Tricolores!

Sigam no Twitter: @carlosport @amon78

Os mais importantes: Gilberto Sorriso

imagem794

Gilberto Ferreira da Silva, ou no mundo boleiro, Gilberto Sorriso. Jogador de futebol, educador físico e administrador esportivo.

Nascido em 18/09/1951, dos pais Sr. Guilherme e dona Pedra, teve uma vida dedicada ao São Paulo e também ao Santos.

No Tricolor, foi do infantil ao profissional, entre os anos de 1968 a 1977, em uma década de dedicação, bom futebol e títulos.

1970 1971

1975 turno

Viu a conclusão definitiva do Morumbi, defendendo as cores do São Paulo. Campeão paulista em 1970, repetiu o feito em 1971, na então nova e para sempre eterna, casa tricolor. Foi vice campeão brasileiro duas vezes (1971 e 1973) e da Libertadores (1974), até erguer nova taça estadual, no ano de 1975.

Quase pegou o primeiro título nacional do São Paulo, mas se transferiu antes ao Santos, em 1977, clube que defendeu também por mais de 10 anos, sendo campeão paulista em 1978 e 1984.

Neste último, um reencontro com duas outras pratas tricolores, Serginho e Zé Sérgio.

Foi o décimo terceiro jogador da história do São Paulo, com maior número de partidas, 434.

Deixou além do talento, a simpatia como marca, tanto que voltou ao clube após encerrar a carreira, para trabalhar nas categorias de base.

O importante na vida é sorrir.

Saudações Tricolores!

Crédito-imagens: Revista Placar, Tardes de Pacaembu

Siga-me no Twitter: @carlosport

Opinião Tricolor: Luiz Alberto Rosan

IMG-20160331-WA0002

Opinião Tricolor recebeu Luiz Alberto Rosan, grandioso profissional da fisioterapia, idealizador do Reffis do SPFC, onde viveu momentos de glória, ajudando o Tricolor a ser extremamente vencedor e referência mundial em tratamento de atletas.

Siga-nos no Twitter: @carlosport, @aninhasauma, @Guna004

Saudações Tricolores!