Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: Hernanes

sao-paulo-hernanes

Olá nação tricolor!

Como é bom retratar a história de um ídolo de raízes tricolores. É o caso de Anderson Hernanes de Carvalho Viana Lima, o Hernanes, nascido em 29 de maio de 1985.

O volante, eternamente apelidado de “O Profeta” pela torcida do São Paulo, devido a sua fé, chegou no Tricolor aos 16 anos, do modesto Unibol, de Pernambuco. Permaneceu evoluindo seu futebol e subindo de categorias até o ano de 2004, promovido aos profissionais.

Hernanes_comemora_001_crop_galeria

Porém, à época, o São Paulo contava com aquela que se tornaria a melhor dupla de volantes do mundo, Mineiro e Josué. Então Hernanes, mesmo com versatilidade para jogar em diversas funções, acabou emprestado em breve período para o Santo André. O sucesso conduziu a dupla campeã mundial rumo ao futebol alemão e assim, o momento de Hernanes chegou.

hernanes

Titular e dono da posição entre 2007 e 2010, evoluiu sobremaneira sua técnica e dinamismo, sendo muito mais que um volante de contenção e saída pro jogo. Em 2008, no Tri-Hexa tricolor, foi eleito o melhor jogador do Campeonato Brasileiro.

download (1)images

Chegou a ser o camisa 10 do São Paulo, posição que defendeu de forma regular, pois sempre jogou melhor vindo de trás, aproximando-se da criação de meio-ataque.

O São Paulo levou Hernanes à Seleção Brasileira, posição que sacramentou no futebol italiano, quando foi vendido para a Lazio. De Roma, partiu para Milão, para defender a Internazionale, na temporada 2013/14.

Internacional e Sao Paulo © 2010

O Profeta do Clube da Fé fez ao todo 223 jogos pelo São Paulo, marcando 38 gols. Bi-campeão brasileiro 2007/08. Dono de terna gratidão.

Saudações Tricolores!

Crédito-imagens: Uol Esporte, Globo Esporte, Estadao, Lancenet

Siga-me no Twitter: @carlosport

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: Mineiro e Josué

Olá nação tricolor!

O século XXI foi um período de redenção são-paulina. Após mandar no futebol brasileiro nos anos 80 e no futebol mundial na primeira metade dos 90, a reforma do Morumbi, somada ao enfrentamento de co-gestões milionárias dos rivais, tiraram por 10 anos o Tricolor de disputas internacionais.

download

 

A dupla Mineiro e Josué foi fundamental para retomar o verdadeiro lugar do São Paulo.

Carlos Luciano da Silva, o Mineiro, nasceu em 02 de agosto de 1975. Era um rival duro do São Paulo desde os tempos de Ponte Preta e São Caetano, então, o Tricolor o contratou em 2005, pela constância incansável dos seus desarmes.

fut_mineiro_disp-2

Nas suas 3 temporadas no Tricolor, Mineiro tomou conta do desarme do São Paulo, sendo multi-campeão. Conquistou o Campeonato Paulista, a Libertadores e um grande momento o esperava.

mineiro

No Mundial do Japão, o ápice da carreira. Um passe certeiro de Aloísio, em assistência magnífica, encontrou Mineiro pelo meio da defesa do Liverpool. O volante avançou e fez o gol do título mundial do São Paulo! Heróico e inesquecível.

mineiro_e_josue

Na condição de ídolo são-paulino, foi pra Copa do Mundo em 2006 e ainda conquistou o Brasileirão daquele ano, findando uma fila de 15 anos de títulos nacionais, do Tricolor do Morumbi.

8 Josue

As glórias de Mineiro tiveram companhia fundamental e co-responsável. Josué Anunciado de Oliveira, o Josué, nasceu em 19 de julho de 1979.

299463-970x600-1

Assim como o companheiro de volância, Josué chegou para “trancar” o meio-campo tricolor, com qualidade de saída de bola e ligação com o meio-campo e ataque.

images (1)

Conquistou todos os títulos ao lado do amigo, mas também fez parte do elenco que venceu o Brasileiro de 2007, jogando partidas antes de ser vendido para o futebol alemão. Mesmo destino, aliás, do parceiro.

Pela seleção, Josué jogou a Copa América de 2007, sagrando-se campeão.

Muricy Ramalho, comentando sobre os anos do São Paulo tricampeão brasileiro consecutivo, disse que reconstruir uma base de dupla de volantes “melhores do mundo”, formada por Mineiro e Josué, foi um dos seus maiores desafios, para manter o Tricolor no topo. Tinha toda razão.

Saudações Tricolores!

Crédito-imagens: site oficial do SPFC, UOL esporte, Placar, Estadão.

Siga-me no Twitter: @carlosport

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: Paraná

imagem2161

Olá nação tricolor!

Nos anos de construção do Morumbi, jogar no São Paulo era sinônimo de superação, em razão dos recursos escassos do time. Mesmo assim, surgiram guerreiros e craques.

Um destes abnegados foi Paraná, o paranaense Ademir de Barros, nascido em 21 de março de 1942. Chegou no Tricolor em 1965, vindo do São Bento de Sorocaba, onde se destacara.

imagem213

A ascensão do ponta esquerda Paraná foi meteórica, sendo um dos convocados para a Copa do Mundo de 1966. De volta ao Tricolor que somente assistia os rivais vencerem enquanto levantava o estádio em sua fase final, Paraná jogou muito no vice campeonato de 1967, amadurecendo o fim da fila que viria 3 anos depois.

imagem551

Assim, com os reforços que chegaram ao Tricolor depois do Morumbi concluído, Paraná foi bicampeão em 1970 e 1971. Pavio curto, foi tirar satisfações com o então campeão brasileiro Telê Santana, que chegara pra treinar o São Paulo em 1973. Perdeu, obviamente, o braço de ferro e acabou se despedindo do clube de uma forma que poderia ter sido muito diferente.

1970_paulista-faixas

Mas deixou sua marca em anos de dribles e gols, em 395 jogos e 41 gols.

Saudações Tricolores!

Crédito-imagens: Gazeta Esportiva Ilustrada, arquivo público do estado de SP, revista Placar.

Siga-me no Twitter: @carlosport

 

 

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: Nelsinho

images

Olá nação tricolor!

Nelson Luis Kerchner, o Nelsinho, nasceu em 31 de dezembro de 1992.

hqdefault

Não é, como traz o título dessa sessão no blog, um “grande ídolo” tricolor, como gigantes de talento e raça que passaram pela história do SPFC.

Mas impossível desprezar e não reverenciar um atleta que teve 512 jogos com a camisa do Tricolor, formado na categoria de base e super-campeão.

0702_Bnov83

Lateral esquerdo, Nelsinho chegou no São Paulo em 1979 e permaneceu até a campanha da Libertadores 1992 (onde não era mais titular). Na sua galeria de títulos, estão os campeonatos paulistas de 1980, 1981, 1985, 1987, 1989 e 1991, além dos Brasileirões de 86 e 91. No início, aguardou a chance diante dos titulares Airton e depois, Marinho Chagas.

nelsinho_485

Até assumir a posição pra não perder mais, nos anos 80. Tantos títulos o levaram para a Seleção Brasileira, onde atuou por 35 vezes.

Foi um jogador, portanto, que merece o muito obrigado da nação tricolor. São poucos na carreira a ultrapassarem a marca de 500 jogos com o mesmo clube.

Nelsinho só jogou menos partidas pelo São Paulo do que Rogério Ceni (ultrapassará 1200, ainda contando), Waldir Peres (617), De Sordi (543), Roberto Dias (527), Teixerinha (525) e José Poy (522). O ranking acima dos 500 jogos se fecha com Terto, exatamente cinco centenas.

Saudações Tricolores!

Crédito-Imagens: Placar, site oficial do SPFC, esporte UOL.

Siga-me no Twitter: @carlosport

 

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: Careca

big_careca-06

Olá nação tricolor!

Antonio de Oliveira, o Careca, nasceu em 05 de outubro de 1960.

A história de Careca no São Paulo foi sinônimo de glória, construída com talento ímpar, talvez do centroavante mais técnico de toda era Morumbi. Muitos gols decisivos, antológicos, heróicos e inesquecíveis.

20131004-175206

O começo não foi fácil. A missão era inglória, substituir o maior artilheiro de todos os tempos no Tricolor, Serginho Chulapa. Careca, no início, teve problemas de lesão e participou de um processo de reformulação no São Paulo que durou praticamente 2 anos, entre 1983 e 1985.

1983

Chegou a fazer dupla com Casagrande, no início desse processo. Mas o goleador alvi-negro teria curto período de tempo no Morumbi. O SPFC caminhava mesmo era para uma grande mudança de filosofia com a chegada de Cilinho e o seu projeto de lançar jovens talentos, onde Careca seria o contra-ponto fundamental.

arq_133680

Os Menudos do Morumbi marcaram época e Careca foi o protagonista para a garotada que buscava o artilheiro como referência.

careca-ii1985

Campeão paulista em 1985, contra a Portuguesa, em um estadual longo que durou de maio a dezembro e que levou quase 200 mil são-paulinos nos jogos finais, 87 e 99 mil, respectivamente, para as vitórias de 3 a 1 e 2 a 1, levando o São Paulo ao título. Careca foi personagem das duas finais, marcando dois gols no primeiro jogo e sendo expulso no segundo, após confusão entre os atletas que gerou 5 expulsões, 3 tricolores e 2 lusas. Mas os Menudos garantiram a vitória e o título.

careca_crop_galeria

Campeão brasileiro em 1986, simbólico, histórico, emblemático e matador. Careca conduziu o São Paulo na conquista do terceiro Brasileirão de forma arrasadora. Marcando muito gols e chamando a responsabilidade em todos os momentos, marcou gols em toda fase mata-mata, até a decisão. Assim, fez cair Inter de Limeira nas oitavas, Fluminense nas quartas, com um gol magnífico no Morumbi, América/RJ na semi e na final, encontrou a rede nos dois jogos.

careca-sp-tosi-gua-final-1986

Na primeira partida decisiva, no Morumbi, empate em 1 a 1, sendo de Careca o gol são-paulino.

No Brinco de Ouro, a apoteose do último gol, foi estupenda. 14 minutos e meio da prorrogação, o SPFC perderia o título em 30 segundos. Mas Careca encontrou um petardo decisivo e levou a final para os pênaltis. Um gol eterno na história do Tricolor Paulista.

downloadcareca86_1ae62

O futebol internacional cobiçava demais o genial centroavante. Careca foi então fazer uma dupla lendária no planeta bola com Maradona, no Napoli, antes disso, participou do grupo que seria campeão paulista em 1987.

careca20

Tamanho sucesso rendeu duas participações em Copas do Mundo na trajetória do craque, em 1986 e 1990.

Careca, craque matador!

Saudações Tricolores!

Crédito-Imagens: Imortais do Futebol, Soberano Arruda, Estadão, Uol, revista Placar.

Siga-me no Twitter: @carlosport

Grandes ídolos do São Paulo, por Carlos Port: Leônidas

imagem196

Olá nação tricolor!

Falar sobre Leônidas da Silva, nascido em 06/09/1913, é um privilégio para a história do São Paulo. Um dos maiores jogadores da história do futebol brasileiro e mundial, um autêntico Diamante Negro, tamanha raridade.

Muitos acreditavam que Leônidas fosse o melhor do mundo nos anos 30 e 40, claro, era um tempo onde a globalização da informação não existia mas, décadas mais tarde, pudemos perceber em números e feitos, o quanto tal crença pode ter sido verdadeira, ao comparar com os craques do futebol europeu e sul-americano, daqueles tempos.

Após o monstro Friedenreich nos anos 30, Leônidas foi a maior estrela tricolor nos anos 40. Contratado por 200 contos de réis do Flamengo, transação caríssima para a época, o Diamante Negro elevou o status do recém clube grande São Paulo. 10 mil pessoas o foram receber, multidão para os padrões do período da segunda guerra mundial.

leonidas chegada

Suas marcas no Tricolor foram impressionantes.Uma sequência de 5 títulos em 7 anos, nos tempos em que o campeonato estadual, era a maior competição a ser vencida. Assim, foi campeão em 1943, 1945, 1946, 1948 e 1949. 211 jogos com o manto sagrado tricolor, marcando 144 gols.

Participou da afirmação da moeda em pé, até o desespero dos rivais em não conseguir parar mais o São Paulo.

Leonidasfone

Desde sua estreia contra o Corinthians, tida como o maior público da história do Pacaembu, com mais de 70 mil torcedores, foi uma honra ter contado com o seu futebol, que engrandeceu o Tricolor e vice-versa, já que com a camisa são-paulina, Leônidas se tornou ainda mais famoso com sua famosa bicicleta, com sua emblemática imagem em partida contra o Juventus.

imagem1103

A bicicleta de Leônidas está devidamente eternizada no Memorial do São Paulo FC, museu de conquistas localizado no Estádio do Morumbi.

leonidas-silva-memorial-estadio-morumbi

Um craque com o quilate da grandeza do São Paulo FC!

guia_leonidasdasilva_crop_galeria

 

Saudações Tricolores!

Crédito-Imagens: Museu dos Esportes, arquivo histórico do São Paulo FC, Publishouse.

Siga-me no Twitter: @carlosport

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: Getúlio e Zé Teodoro

Olá nação tricolor!

Os anos 80 se caracterizaram por times do SPFC ofensivos, de futebol técnico, clássico e de muita autoridade nos gramados.

Na era que o Tricolor foi chamado de time da década em SP, a lateral direita contou com 2 ícones no setor: Getúlio e Zé Teodoro.

imagem610

Getúlio Costa de Oliveira nasceu em 26 de fevereiro de 1954. Chegou no SPFC por indicação de Rubens Minelli, para a temporada de 1977, vindo do Atlético Mineiro. Justamente contra o Galo de Minas, foi campeão nacional com o Tricolor, em seu primeiro campeonato brasileiro disputado no Morumbi.

imagem135

Exímio batedor de faltas, foi lateral de vários gols pelo São Paulo. Teve como problemas a facilidade em ganhar peso e uma fratura de tíbia, que o afastaram dos gramados em momentos importantes de sua carreira, atrapalhando planos de Seleção Brasileira, onde fez quase 20 jogos.

imagem711

Bicampeão paulista em 1980 e 1981, deixou o Tricolor após dois vice-campeonatos, na reformulação que o SPFC preparou para 1984.

Seu apelido eterno, Gegê da Cara Grande.

José Teodoro Bonfim Queiroz, nascido em 22 de novembro de 1963, o Zé Teodoro, foi o lateral direito escolhido para substituir Getúlio. Vindo do Goiás, assumiu a titularidade tricolor em 1985 para não sair mais, até o começo dos anos 90.

zeteodoro_saopaulo1985_ae_30

Super-campeão, conquistou 4 títulos paulistas no Tricolor, 1985, 1987, 1989 e 1991, intercalados com o Brasileirão de 1986 e também 1991.

zt

Lateral ofensivo, ousado e de habilidade agressiva, fez parte da lendária defesa do terceiro campeonato brasileiro do Tricolor, que contava com Zetti, Zé Teodoro, Antonio Carlos, Ricardo Rocha e Leonardo, com Ronaldão na contenção. Uma muralha!

1991defesa

Saudações Tricolores!

Crédito-imagens: Revista Placar, blog Tardes de Pacaembu, agência Estado.

Siga-me no Twitter: @carlosport

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: Muricy (o jogador)

imagem1151

Olá nação tricolor!

Muricy Ramalho nasceu em 30 de novembro de 1955. Apesar dos esforços de Valdemar Carabina (zagueiro palmeirense dos anos 60) em levá-lo para o Parque Antártica, foi no Tricolor paulista que Muricy se identificou e se fez um grande jogador.

imagem610

No São Paulo desde o “dente-de-leite”, Muricy fez sua estreia profissional no segundo semestre de 1973, com apenas 17 anos. Dois anos para adquirir maturidade, até o título paulista de 1975, onde já despontava como o camisa 8 que ia pra cima.

muricy-carro-1383

Teve em Poy um grande disciplinador. Muricy tinha fama de rebelde, cabelos compridos, fumava nos arredores do São Paulo, o que rendia muita correção do histórico técnico argentino.

imagem1014

Mas em 1977 Muricy teve sua carreira abreviada, no Tricolor e para o próprio futebol. Contusão de ligamento do joelho, naqueles tempos, era muito pior que no século XXI. Não havia o avanço médico e tecnológico dos dias atuais e a promessa são-paulina ficou sem jogar quase 1 ano e meio. Mesmo assim, foi jogador integrante do primeiro título brasileiro do São Paulo.

imagem2123

Permaneceu no Morumbi até 1979, quando foi negociado com o Puebla, do México.

Voltaria anos mais tarde, para ser auxiliar-técnico do Mestre Telê Santana. O então discípulo se tornaria, anos após, um dos técnicos mais queridos da história do SPFC, conquistando o inédito tricampeonato brasileiro consecutivo pelo Tricolor, façanha que nenhum outro clube conseguiu no futebol nacional.

images

A torcida o reverencia, ainda como se estivesse em campo.

Saudações Tricolores!

Crédito-imagens: site Terceiro Tempo, Estadão, Revista Placar

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: Renato Pé Murcho

imagem132

Olá nação tricolor!

Renato nasceu em 21 de fevereiro de 1957, natural e Morungaba/SP.

Na época que o futebol de definia pelo autêntico 4-3-3, foi o meia-direita da chamada Máquina Tricolor, bi-campeã paulista. Era o jogador mais criativo e talentoso do São Paulo em 1980, dividiu essa responsabilidade e reconhecimento com Mário Sérgio, em 1981.

imagem122

Como único “defeito”, o chute fraco, que lhe rendeu o apelido de Pé Murcho, desde os tempos de Guarani, clube que o revelou, antes da chegada ao Tricolor. Campeão brasileiro em 1978, ao lado de Careca (que marcaria época no SPFC pouco depois), Renato despertou o interesse são-paulino e já desembarcou no Morumbi para ser campeão. Melhor dizendo, bi-campeão.

imagem143

Pra quem viu em tempos mais recentes o futebol de Kaka, Renato possuía estilo parecido. Classe que o levou para o grupo da Copa do Mundo, em 1982.

Saudações Tricolores!

Crédito-imagens: revista Placar

Siga-me no Twitter: @carlosport

 

 

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: Serginho Chulapa

imagem642

Olá nação tricolor!

Ele é o maior artilheiro da história do São Paulo, com 242 gols em 399 jogos.

Sérgio Bernardino, nascido em 23 de dezembro de 1953, o santista mais são-paulino de todos os tempos.

Chegou no Morumbi em 1970, seu primeiro clube profissional, após uma peneira que contou com o olheiro do Tricolor, na Casa Verde. Ainda muito jovem, foi emprestado ao Marília, do interior paulista, para ganhar vivência e experiência. O SPFC ainda tinha Toninho Guerreiro no time de cima.

Quem promoveu a estreia de Serginho Chulapa foi ninguém menos que Telê Santana, em 1973. Duas décadas mais tarde, Telê se tornaria o Mestre Eterno do São Paulo. Pra quem não sabe, foi inicialmente ponta-esquerda. Era canhoto. Mas seu destino seria ser centroavante.

O primeiro gol do predestinado Serginho foi contra o rival Corinthians. Começava uma saga de muitos gols, artilharias e campeonatos conquistados.

imagem615

Chulapa foi artilheiro do Paulistão por 4 vezes, sendo 2 vezes pelo SPFC (1975 e 1977). Também no Brasileirão, em 1982, foi o recordista de gols daquela temporada. Raça e técnica precisa, até no chute de bico, sua marca registrada, se aliavam.

serginho chulapa 6_crop_galeria

Seus títulos com gols decisivos vieram em 1975 contra a Portuguesa (final nos pênaltis), 1980 contra o Santos (marcando nas duas finais vencidas por 1 a 0) e 1981 contra a Ponte Preta (com direito ao gol apoteótico do título, chapéu no goleiro Carlos e roubo do guarda-chuva da mesa do 4º árbitro).

serginho-chulapa

Mas nem só de gols e taças ficou marcada a carreira de Serginho pelo São Paulo. Foi o rei das confusões. Serginho foi campeão brasileiro de 1977, mas não jogou a final, porque pegou uma suspensão de 14 meses, após chutar o bandeirinha em um jogo contra o Botafogo de Ribeirão Preto.

hqdefault

Mas sua presença impunha tanto temor, que o São Paulo simulou ter conseguido efeito suspensivo, para a finalíssima contra o Atlético Mineiro, no Mineirão lotado. O ato tricolor desestabilizou completamente a equipe mineira, que apressou-se em chamar Reinaldo, também suspenso, para o jogo, tirando a confiança do atacante substituto que iria pra decisão. Genial. O Tricolor foi campeão nos pênaltis e promoveu o maior silêncio da história do Mineirão.

Teve muito mais. Em um jogo contra o Corinthians que o São Paulo estava sendo derrotado, não pensou duas vezes, encheu o pé no banco de reservas adversários em um chute potente e caiu por cima de todos, gerando uma tremenda confusão (vídeo, copie e cole https://www.youtube.com/watch?v=mGQ3hIjrDY0)

brigachulapa

Na final perdida para o Grêmio, em 1981, a “cera” promovida por Emerson Leão rendeu um “bico” em sua testa.

serginho-chulapa-em-lance-de-agressao-a-emerson-leao-em-jogo-entre-sao-paulo-e-gremio-pelo-brasileirao-de-81-1307387582166_300x230

Na Copa do Mundo de 1982, foi o titular do técnico que o lançara para o futebol.

Entre glórias e encrencas, Serginho findou sua fantástica passagem pelo São Paulo em 1983, para jogar no Santos.

É eterno nos dois clubes.

Valeu Chulapa!

Saudações Tricolores!

Crédito-imagens: TV Cultura, Revista Placar, site oficial do SPFC, Uol Esporte.

Siga-me no Twitter: @carlosport

 

 

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: Gino Orlando

imagem1195

Olá nação tricolor!

Gino Orlando, nascido em 03 de setembro de 1929. Falecido em 24 de abril de 2003.

Uma vida de amor ao São Paulo FC. Como jogador, foi e ainda é, o segundo maior goleador da história do Tricolor, com 233 gols em 453 jogos, iniciados em 1953. Sua missão, na chegada ao Tricolor, era um desafio e tanto. Fazer a torcida não sentir tanto a falta de Leônidas da Silva, o Diamante Negro, eternizado pelo bicicleta. Curiosamente, em 1956, foi Leônidas quem marcou um golaço de bicicleta, mas pela Seleção Brasileira, em Lisboa, diante de Portugal.

imagem98

Gino contou com muito oportunismo, vontade incansável e persistência constante pelo gol, para se tornar ídolo. Teve companheiros de ataque que o ajudaram muito para tanto, nas pontas com Maurinho pela direita e o genial Canhoteiro, pela esquerda.

Campeão e artilheiro em 1953 e 1957, permaneceu no São Paulo até o final de 1962, já sentindo as dificuldades de um time sem recursos, já que quase todo aporte financeiro tricolor era destinado ao erguimento do gigante Morumbi.

imagem1410

Vale um capítulo especial o título de 57, conquistado sobre o rival Corinthians, um confronto que teve guerra dentro e fora de campo. No primeiro turno do campeonato, o empate em 1 a 1 terminara com uma fatalidade, uma dividida entre Maurinho do SPFC e Alfredo do SCCP, gerou a fratura da perna do alvi-negro.  Luizinho, o Pequeno Polegar corinthiano, discutiu asperamente com Gino, no tumulto que se instaurou no gramado. No dia seguinte, ambos se reencontraram na visita a Alfredo no hospital e Luizinho novamente confrontou Gino, dessa vez, com uma tijolada em sua testa (na foto acima, Gino de atadura, pelo corte).

imagem159

No segundo turno, o reencontro decisivo. Vitória tricolor por 3 a 1 e nova guerra no campo e nas arquibancadas, com garrafas pra todo lado, após o gol de Maurinho que liquidara o Corinthians.

Porém, sua história com o estádio viria anos mais tarde. Em 1969, voltou ao São Paulo para ser um dos administradores do Cícero Pompeu de Toledo. Posição que se consolidou e permaneceu até o ano de 2003. Somente a saúde debilitada o afastou do Morumbi, no ano de sua morte.

imagem1135

Obrigado, Gino Orlando!

Saudações Tricolores!

Crédito-Imagens: Revista Gazeta Esportiva Ilustrada, Blog Tardes de Pacaembu, Revista Placar, Site oficial do SPFC.

Siga-me no Twitter: @carlosport

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: Luizinho

imagem72

Olá nação tricolor!

Aqui no blog, iniciamos a jornada dos grandes ídolos do São Paulo, com Friedenreich. Lendário atleta de mais de 1200 gols, retratado aqui: http://opiniaotricolor.com.br/?p=678

Mas Fried teve outros heróis ao seu lado, responsáveis pelo primeiro título da história do Tricolor. Um deles, de grande destaque no passado: o atacante Luizinho.

Luiz Mesquita de Oliveira, o Luizinho, nasceu em 29/03/2011, ainda antes da Primeira Guerra Mundial. Chegou ao SPFC pelo Paulistano e foi protagonista do time que venceu o campeonato paulista, já no segundo ano de existência do Tricolor.

Esteve na segunda metade da década de 30 no Palestra Itália, mas a missão no São Paulo ainda não havia terminado. Então, “o gerente” voltou, para ser campeão em 1943 (a conquista da moeda em pé), 1945 e 1946. Ao todo, tetra. Em 1944, mesmo sem o título, foi o artilheiro do estadual. Teve os geniais Leônidas e Sastre ao seu lado (foto abaixo).

imagem113

Os clássicos com o então Palestra Itália e depois Palmeiras, eram recheados de rivalidade, durante toda a década de 40. A Segunda Guerra Mundial apimentava ainda mais o confronto.

imagem15

Ponta direita, mas que também fazia o lado esquerdo do campo, entortando defesas e marcando tentos, em 264 jogos e 173 gols com a camisa do Mais Querido, rótulo conquistado pelo São Paulo nos anos 40, durante a era Vargas, pelo orgulho paulista constitucionalista.

Luizinho faleceu em 28 de dezembro de 1993, aos 82 anos.

Saudações Tricolores!

Crédito-imagens: A Gazeta Esportiva, blog Tardes de Pacaembu.

Siga-me no Twitter: @carlosport

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: os goleiros campeões, nos anos 30 e 40

Olá nação tricolor!

O São Paulo, em suas duas primeiras décadas, entre fundação e refundação, contou com goleiros que marcaram época no futebol paulista.

1931 - Campeão Paulista

O primeiro título do São Paulo Futebol Clube, da era da Floresta, foi conquistado em 1931, com Joãozinho no gol. No poster acima, agachado com a bola.

King

Nivacir Innocencio Fernandes, o King, nasceu durante a Primeira Guerra Mundial, em 6 de janeiro de 1917.Seu apelido não derivou de rei, mas do lendário gorila do cinema norte-americano, tamanho gigantismo aliado à habilidade de segurar a bola com as mãos.Titular em 1943, no grupo em 45 e 46, teve na carreira 3 taças paulistas com o Tricolor, em 204 jogos. Teve celebridade por ser o goleiro do ano da moeda em pé.

1945paulista

 

a-gazeta-esportiva-jornal-1119-gijo-goleiro-so-paulo-13931-MLB3129532022_092012-F

Romualdo Sperto, o Gijo, nascido em 1 de agosto de 1919, foi o titular do gol tricolor em 1945 (poster e revista) e 1946. Bicampeão com o São Paulo que se tornaria o rolo compressor da década de 40. Estava também no elenco campeão em 1948. Jogou 137 partidas.

37382

 

1948

No bicampeonato de 1948/49, o titular foi Mário (perfil e poster). Nascido em 10 de abril de 1923, Mário de Oliveira faleceu em 1998, com 74 anos. Esteve nos quadros do SPFC entre 1948 e 1952, jogando 108 vezes. Diz a lenda, ter sido o criador da “ponte”. Será?

Arqueiros do passado, eternizados na galeria de conquistas do São Paulo!

Saudações Tricolores!

Fontes imagens e estatísticas: Blog Terceiro Tempo, SPFCpedia, A Gazeta Esportiva.

Siga-me no Twitter: @carlosport

 

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: Sérgio Valentim

imagem2212

Olá nação tricolor!

Sérgio Vagner Valentim nasceu em 22 de maio de 1945. Com destino de milagres embaixo das traves.

Assim, o Tricolor teve goleiro com alcunha de santo, nos anos 70, início da pujante era Morumbi.

imagem1643

“São” Sérgio foi salvador do São Paulo em muitos jogos decisivos, depois do difícil e longo período da fila, para levantar o gigante Cícero Pompeu de Toledo.

No São Paulo desde 1967, vindo do São José, foi emprestado algumas vezes até se fixar no Tricolor, em 1969.

imagem752

Fortaleza no gol, segurança pra linha, no São Paulo que se preparou para inaugurar sua casa nova, definitivamente, com time pra ser campeão.

arq39935

Bi-campeão paulista em 1970 e 1971, Sérgio Valentim jogou no São Paulo até 1975. Ao todo, foram 203 jogos pelo Tricolor, dando lugar a era Waldir Peres.

1970_paulista-faixas

Em todos os posters dos dois primeiros anos do Morumbi finalmente completo! São Sérgio Valentim!

1971

Saudações Tricolores!

Crédito-Imagens: Revista Placar, Blog Tardes de Pacaembu, Blog Terceiro Tempo, Revista Grandes Clubes Brasileiros.

Siga-me no Twitter: @carlosport

 

1981. O gol lendário de Everton

evertonsaopaulo3

Olá nação tricolor!

Everton Nogueira, nascido em 12 de dezembro de 1959, não foi assim o que podemos chamar de grande ídolo do SPFC, mesmo tendo participado do período da Máquina Tricolor, o timaço do começo dos anos 80.

Porém, em sua carreira, ficou marcado um dos gols mais espetaculares da história do estádio do Morumbi.

Semifinal do Brasileirão 1981. São Paulo x Botafogo do Rio. No jogo de ida, vitória dos cariocas. O Tricolor paulista precisava vencer pra seguir adiante.

98.650 torcedores lotavam o Morumbi, no aguardo do jogo. Assim que a partida começou, um rompante carioca implacável, com 19 minutos, abrindo 2 a 0 no placar. O time carioca tinha grandes talentos da época, como Perivaldo, Rocha, Mendonça, uma reversão seria quase impossível.

Seria… mas era o Time da Fé!

Ao final do primeiro tempo, o SPFC diminuiu com Serginho Chulapa, batendo pênalti.

Segundo tempo, pressão total. Até que surgiu Everton, vindo do banco de reservas. Em um bate-rebate na área da Estrela Solitária, após escanteio de Zé Sérgio, a bola voou na altura da meia-lua, após Rocha afastar. Então, um sem-pulo antológico de Everton, no ângulo do goleiro Paulo Sérgio, ao 22 minutos.

ataque everton

Morumbi em delírio, atônito, com o petardo do golaço!

43ks53xbg7i8dxuhw1pcabnf41

Aí foi questão de tempo pra sacramentar a virada, novamente ele, Everton, decidiu o jogo, aos 33 minutos da etapa final, em um inesquecível 3 a 2.

evertonbotafogo81

O São Paulo se classificava para a final do Brasileirão e Everton sairia consagrado, nos ombros de Hélio Silva, o velha-guarda da TUSP.

Saudações Tricolores!

Sugiro que copiem e colem o link do especial Sportv da partida, duração de 10 minutos, imperdível: https://www.youtube.com/watch?v=BsIfqEF5S6Y

Crédito-Imagem: Luiz Fernando Evaristo, Marcelo Dieguez, blog Isto É SPFC, Placar.

Siga-me no Twitter: @carlosport

Morumbi, uma viagem no tempo!

Quando não são necessárias as palavras…

De 1952, da pedra fundamental, até os dias atuais.

1_crop_galeria

47912_494040817281287_970036820_n

1Morumbi-02

149666_494040447281324_1402191418_n

383482_3541672470787_1541715253_33000286_1784532501_n

morumbiconstrucao5

11-500x351

3683_494041800614522_1902311835_n

10_crop_galeria

inauguracao70edison

Estadio Morumbi (5)

1970 pronto

3838423800_a8ffee1b2e_o

Morumbi6

3838431610_5a07d0f0c8_b

Cicero_pompeu_de_toledo_-_aerial_-_02

27-mo

010-estadio-g-20130115

Morumbi (1)

t_85279_morumbi-tera-apenas-3200-torcedores-do-corinthians-no-classico-que-vale-vaga-na-final-do-paulistao

Tradição e orgulho do São Paulo FC!

Saudações Tricolores!

Crédito-Imagens: Uol, Globo.com, arquivo histórico do São Paulo FC, Gazeta Esportiva, Terra, arquivo municipal da cidade de São Paulo.

Siga-me no Twitter: @carlosport

 

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: Zé Sérgio

imagem448

Olá nação tricolor!

José Sérgio Presti, o Zé Sérgio, nasceu em 8 de março de 1957.

Depois de Canhoteiro, certamente, foi o ponta-esquerda de maior habilidade e destaque do São Paulo. Mas com uma diferença fundamental, sua perna de talento era a direita, Zé era destro!

Primo do também super craque Rivellino, Zé Sérgio foi levado primeiro nas peneiras do Corinthians, onde não deu certo. Azar alvinegro, sorte tricolor. Novamente conduzido pelo primo, foi apresentado nas categorias de base do SPFC em 1973, para não mais sair do Morumbi, até 1984.

Estreiou como profissional em 1976 e disparou como um foguete, para a titularidade.

imagem1614

Talvez o jogador mais talentoso do Tricolor no Campeonato Brasileiro de 1977, foi valioso para o primeiro título nacional do São Paulo. Embalado, surgiram as convocações para a seleção brasileira, onde defendeu a canarinho no Mundialito de 1980.

ZeSergio3

Seus dribles faziam a torcida delirar aos gritos de “Vai, Zé” quando recebia a bola na ponta-esquerda. Mas alguns tristes episódios conturbaram sua trajetória no São Paulo. Em 1981, fraturou o braço duas vezes, primeiro em um jogo contra a seleção do México, em Los Angeles e na segunda vez, na primeira partida após seu retorno, contra o Noroeste, no Pacaembu. Azar terrível. Em 1982, nova lesão, agora na perna, o tiraram da Copa do Mundo. Muitos afirmam que tais episódios foram decorrentes da carga emocional que Zé Sérgio sofreu após ser flagrado injustamente, em exame anti-doping, pela ingestão do descongestionante nasal Naldecon.

imagem543

O craque sempre foi limpo e correto profissionalmente.

imagem1318

Mesmo com todos esses problemas, Zé Sérgio foi absoluto e inquestionável no Tricolor. Campeão brasileiro em 1977 e bi-paulista, em 1980 e 1981.

imagem827

Na reformulação tricolor do ano de 1984, quando a Máquina Tricolor começava a dar lugar aos Menudos do Morumbi, deixou o São Paulo para ser campeão no Santos, ao lado de outro ídolo são-paulino, Serginho Chulapa.

Zé Sérgio ainda foi treinador da base tricolor, conquistando títulos expressivos internacionais na categoria sub-17, entre os anos de 2007 a 2011.

Vai Zé!

Saudações Tricolores!

Crédito-Imagens: Revista Placar, blog KiGol, blog Tardes de Pacaembu, Gazeta Press.

Siga-me no Twitter: @carlosport

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: os uruguaios do Tricolor

Olá nação tricolor!

A pátria uruguaia é quase uma segunda nação para a torcida tricolor, devido a tantas demonstrações de raça, técnica, profissionalismo e emoção oferecida pelos atletas do país da seleção celeste.

A seguir, um histórico dos principais jogadores que fizeram história honrando e lutando pelo manto sagrado do Mais Querido, notadamente, a partir da era Morumbi:

Forlan

forlan1

Pablo Justo Forlan Lamarque nasceu em 14/07/1945. 243 jogos e 9 gols pelo Tricolor. Destacava-se pela garra. Atribuía-se a ele a frase: “O melhor momento de se amedrontar adversários são os primeiros cinco minutos do jogo, quando o juiz nunca dá cartão”.  O lateral direito Forlan não queria competir com ninguém, só não gostava de ser mandado. E no campo, queria ver todo mundo dando sangue, como ele fazia.

forlan2

O “Caveira Simpática”, como passou a ser chamados pelos companheiros, se transformava durante as partidas. Se o time estivesse perdendo, corria como um louco, xingava, empurrava os companheiros para a vitória. Se estivesse ganhando, procurava manter os companheiros acesos para garantir a vitória. A verdade é que Pablo Forlan, durante o tempo que jogou no São Paulo foi símbolo de garra. Ajudou muito, com seu espírito, o Tricolor a encerrar o jejum de títulos e conquistar o bicampeonato de 1970 e 1971 e participou da campanha de 1975, ao lado de Gérson, Pedro Rocha e outros.

Forlandespedida

Pedro Rocha

pedro_rocha-122013-11

Pedro Virgílio Rocha Franchetti, nascido em 03/12/1942, fez 393 jogos com o manto tricolor, marcando expressivos 119 gols e conquistando 3 campeonatos, os Paulistões de 1971 e 1975, além do heróico primeiro Brasileirão do São Paulo, de 1977.

pedro-rocha-uruguai

O Verdugo era seu apelido, porque “matava” seus adversários com categoria, chute potente, cabeçada certeira, ampla visão de jogo. Já chegou no SPFC campeão da Libertadores e do mundo, com o Peñarol. Honrou o manto dos 28 aos 34 anos. Pelé não escondia sua admiração por Pedro Rocha, credenciando-o como top five do planeta, no seu tempo.

Pedro Rocha

Dario Pereyra

Dario Pereyra

Com apenas 21 anos, Alfonso Darío Pereyra Bueno, nascido em 20/10/1956, era o capitão da seleção uruguaia. Ele tinha um vigor fora do comum. Foi contratado pelo São Paulo em 1977, ano de ouro do tricolor, quando o time de Rubens Minelli, enfrentando o favorito Atlético num Mineirão superlotado, venceu nos pênaltis e se sagrou campeão brasileiro pela primeira vez em sua história. No começo, Darío Pereyra teve problemas de adaptação.

zaga dario1

Não conhecia a capital paulista e estranhava o esquema de jogo praticado pelo tricolor. Era escalado no meio-campo e não conseguia o mesmo rendimento dos tempos do Nacional e da Seleção de seu país. A torcida que o havia recebido no aeroporto como Rei Dario, parecia conhecer o problema e estava paciente, muito diferente dos dias atuais. Afinal, 7 anos antes um outro uruguaio, Pedro Rocha, tido como um dos melhores jogadores do mundo, demorara quase um ano para se adaptar totalmente ao clube. Com Dario, não foi diferente.

zaga dario genio

Então, Carlos Alberto Silva o colocou para jogar como quarto-zagueiro, em 1980. Dario estranhou a escalação, mas tentou. Estraçalhou e não saiu mais da posição. A torcida o elegeu um dos “deuses da raça” do Morumbi. Quando Oscar chegou, contratado ao Cosmos de Nova York, formou com ele a melhor dupla de zagueiros do país, senão do mundo.

zaga oscar dario listra

Super-campeão, com os Paulistões de 1980/81/85/87 e Brasileirões de 1977 e 1986. 453 jogos e impressionantes 37 gols, para um zagueiro.

Diego Lugano

Lugano

O último dos uruguaios a deixar legado pelo SPFC, mas certamente, um dos primeiros no coração agradecido da torcida são-paulina. Contratado pelo São Paulo Futebol Clube em 2003, como jogador do eterno Marcelo Portugal Gouvêa, justificou com o tempo a aposta do presidente.

ZAGA FABAO LUGANO

Integrou a equipe Campeã Paulista de 2005, do tri Libertadores e do tri Mundial de Clubes da FIFA em 2005, sendo herói e símbolo celeste.

zaga lugano tevez

Uma de suas características era a de raramente trocar de camisa com o adversário ao final do jogo, alegando não se sentir confortável com tal ato, em respeito ao torcedor tricolor, para o qual a camisa de seu time é sagrada.

luggerrad

Ao todo, Lugano jogou pelo São Paulo 176 vezes. Além de marcar muito na defesa, ajudou o ataque, com 11 gols marcados pelo Tricolor.

 

Outros uruguaios passaram pelo SPFC ao longo dos anos, neste século XXI, destaque para Álvaro Pereira, teve curta passagem no ano de 2014, mas se notabilizou por manter a tradição celeste de entrega pela camisa do SPFC.

 

Saudações Tricolores!

Crédito-Imagens: Site oficial do SPFC, UOL, Globo, Terra, Revista Placar, arquivo Folha

Siga-me no Twitter: @carlosport

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: Pita

meio pita

Olá nação tricolor!

O Opinião Tricolor segue retratando os craques históricos do SPFC. Nos últimos dias, relembramos muitos daqueles que foram os protagonistas do time fantástico dos Menudos do Morumbi, de 1985, que seguiu conquistando títulos até 1989, com algumas alterações.

Já passaram no blog, Gilmar, Oscar e Dario e Pereyra, Silas e Muller. Chegou a vez de Pita.

Edivaldo Oliveiras Chaves, o Pita, é carioca de Nilópolis, nasceu em 04/08/1958.

imagem1310

Se o são-paulino vibra no século XXI com Ganso, Pita foi uma inspiração. Seguiu o mesmo caminho do Santos ao São Paulo em 1984, pela maestria, futebol refinado e clássico.

meio pita (2)

O Tricolor reformulava seus quadros e o rival da baixada santista também saiu ganhando. Recebeu o craque Zé Sérgio e foi campeão paulista daquele ano. Bom pra todos.

Na armação ao lado de Silas, servindo Muller e Careca, Pita deu espetáculo. Mas não só isso. Fazia gols. Um deles, inesquecível, quando partiu do meio-campo e driblou meio time do Palmeiras, em clássico no Pacaembu terminado em 4 a 4.

Mesmo meia, fez 46 gols pelo Tricolor, em 249 jogos, até ser vendido ao futebol francês, em 1988.

Os títulos de Pita foram os Paulistões de 1985 e 1987, além do Brasileirão 1986.

arq_133681

Um autêntico regente nos lançamentos, cobranças de falta, triangulações, tabelas, passes precisos e chutes matadores.

FBA1EE9D8659429580A56BD237A1BBE3

Pita foi protagonista de uma posição em extinção no futebol brasileiro, o que o torna ainda mais importante.

De tanto conhecimento, foi também técnico no SPFC em breve passagem, conquistando a taça São Paulo de Juniores.

Saudações Tricolores!

Crédito-Imagens: Revista Placar, UOL, Blog Terceiro Tempo, Blog Tempo de Bola, Blog Tardes de Pacaembu.

Siga-me no Twitter: @carlosport

 

 

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: Gilmar Rinaldi

Olá nação tricolor!

Gilmar Luiz Rinaldi nasceu em 13 de janeiro de 1959. Sua trajetória no São Paulo significou uma reafirmação de segurança no gol, diante da grande mudança de elenco da era da Máquina Tricolor, do início dos anos 80.

Após a era Waldir Peres, o Tricolor sofreu um breve hiato debaixo das traves, com o modesto Tonho em seu lugar. Era necessário um goleiro de porte novamente e a solução foi encontrada no Sul, mais precisamente, no time do então goleiro tetracampeão gaúcho, o Internacional.

hqdefault

Assim, em 1985, Gilmar chegou ao Mais Querido e fez parte do time que revolucionou o futebol paulista e brasileiro, sob o comando de Cilinho: os Menudos do Morumbi.

Foi um dos líderes de um grupo fantástico, goleiro de personalidade que gostava de jogar avançado, para enxergar melhor o time na linha. Tal ousadia quase rendeu tomar um gol que seria histórico, do meio-campo, em um chute perfeito de Edu Marangon, na final do Paulistão 1985, contra a Portuguesa. Mas Gilmar teve muita velocidade e reflexo para voltar, resvalar em voo e pegar a bola que bateu no travessão. O São Paulo de Careca, Muller, Silas e cia, foi superior a Lusa nos dois jogos e ficou com o título.

O primeiro dos títulos importantes da geração que venceu tudo no país, nos anos seguintes. O Brasileirão 1986 foi decidido em 1987. Um jogaço inesquecível. Após empate em 1 a 1 no Morumbi, decisão no Brinco de Ouro. Tempo normal, 1 a 1. Prorrogação, 2 a 2. Pênaltis. Gilmar, na cobrança de Boiadeiro, defendeu. João Paulo ainda desperdiçaria sua cobrança e o Tricolor levantaria o seu segundo troféu de campeão brasileiro.

gilmar

Mais glórias ocorreram naquele ano, o São Paulo também foi campeão paulista, diante do rival Corinthians. Um ano antes, outro triunfo só não foi possível porque o elenco tricolor foi base da Copa do Mundo, em 1986.

1987

Em 1989, diante do São José, mais uma taça estadual, que rendeu ao São Paulo a alcunha do Time da Década.

1989

Gilmar fez seu último jogo pelo SPFC em agosto de 1990, 253 ao todo, precedendo a era Zetti.

 

Saudações Tricolores!

Crédito-Imagem: Folha, site oficial do SPFC.

Siga-me no Twitter: @carlosport

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: os argentinos no Tricolor

Olá nação tricolor!

A torcida jovem do SPFC, incluindo os de meia idade, se acostumou a ter no futebol uruguaio, uma referência de identidade.

Técnica, raça, comprometimento e tradição. Assim foi desde a era Morumbi, com Pedro Rocha, Pablo Fórlan, Dario Pereyra e Diego Lugano, os maiores expoentes.

Porém, antes da era da televisão e do estádio, quem fez história no São Paulo foram eles, os argentinos. Sim, aqueles que adoramos chamar de rivais, construíram de forma fantástica, grandes feitos no Tricolor, nos anos 40 e 50. Vamos a eles:

Poy

Poy

Um dos maiores goleiros da história, fez sua carreira no SPFC como treinador depois. José Poy nasceu em 16 de abril de 1926 e faleceu em 08 de fevereiro de 1996. Seu caminho portenho ao Tricolor teve raiz no Rosário Central.

Já constando no elenco bicampeão de 1949, foi nos anos 50 que o argentino tomou conta da posição. Em 1953, já era o dono da camisa negra que salva-guardava o gol são-paulino. Assim levantou taça também em 1957, na histórica partida decisiva das garrafadas contra o Corinthians, no Pacaembu.

1953_rivadavia_folhadamanha_02071953_foto

Poy não se satisfez somente em defender o SPFC nas 4 linhas. Diante do desafio imenso da construção do Morumbi, se tornou um dos protagonistas, vendendo cadeiras cativas do estádio pessoalmente. Segundo consta, conseguiu mais de 8.000 lugares. Um feito extraordinário de devoção.

imagem1214

Jogou até 1962, 522 jogos, quando então se tornou técnico, entre idas e vindas no Morumbi, venceu o título de 1975, comandando o São Paulo.

imagem317

Renganeschi

imagem211

Seguimos na defesa, agora com Renganeschi. Chegou no Tricolor em 1944, mas já estava no Brasil, chegou a defender o Fluminense. O chamado zagueirão, Armando Federico Renganeschi nasceu em 10 de maio de 1913 e faleceu em 12 de outubro de 1983.

Sua história eternizada no Tricolor se fez em 1946. No título tricolor daquele ano, o São Paulo tinha o Corinthians como concorrente, rodada a rodada, na modalidade de pontos corridos. Chegou um Choque-Rei para o Tricolor, diante de uma SEP que não postulava a taça naquele ano. Se o jogo empatasse, haveria uma partida-extra, para a decisão. “Renga” se contundiu no clássico, mas não eram permitidas substituições naquela época. Então, permaneceu, encostado do lado do campo. O sacrifício foi premiado com glória. Faltando 8 minutos, avançou à área e mesmo mancando, recebeu um rebote do goleiro alvi-verde e decidiu o confronto. Único gol de Renganeschi nos seus 107 jogos no São Paulo, gol de campeão.

imagem171

Depois de parar, assim como Poy, também treinou o Tricolor, nos anos de 1958 e 1959.

Albella 

Gustavo Albella nasceu em 22/08/1925, faleceu em 13 de junho de 2000. Chegou ao São Paulo na “bagagem” de outro argentino, Moreno, no ano de 1952. Mas foi quem se tornou o protagonista. Inicialmente atacante, foi como armador, ao lado de Gino Orlando, que fez história, no título paulista de 1953. Seu apelido “el atômico”.

1953_paulista_campeao_folhadamanha_17111953

No total, foram 80 jogos pelo São Paulo, com 46 gols marcados.

Sastre

imagem432

Antonio Sastre nasceu antes das duas grandes guerras mundiais, é de 27 de abril de 1911, falecido em 27 de novembro de 1987. No Tricolor, chegou veterano, aos 32 anos, mas ainda com força e talento suficientes para se tornar lenda.

Sastre, quando desembarcou no Brasil, desestabilizou a divisão de forças em São Paulo, repartidas até então entre os rivais alvi-negros e alvi-verdes. Capitão da Argentina e com brilho no Independiente, impôs seu imenso talento no Tricolor, derrubando a tese que cara era Corinthians, coroa era Palestra Itália, ou vice-versa, nos títulos paulistas.

imagem191

No ano de sua estreia, já mostrou do que seria capaz, quando fez 6 gols em uma mesma partida, nos 9 a 0 que o São Paulo aplicou na Portuguesa Santista.

Foi o grande maestro nos títulos de 1943, 1945 e 1946, o período da Moeda em Pé. Ao todo, 128 jogos e 56 gols.

Tivemos ainda o argentino Ponce de Leon, atacante de grande qualidade técnica e oportunismo, que defendeu o Tricolor ao lado do compatriota Poy. Está entre os 10 melhores atletas em termos de desempenho no Campeonato Paulista, com 45 jogos e 34 vitórias, incríveis 80%. (fonte site oficial do São Paulo FC).

Negri e Moreno, igualmente, campeões em 1953. Beraza foi campeão em 1957.

Ao todo, são 25 jogadores argentinos que o SPFC já contratou, até o ano de 2016. Chavez, Calleri, Centurion, Buffarini, Sastre, Runtzer, Renganeschi, Prospitti, Poy, Ponzonibio, Negri, Moreno, Martino, Juarez, Gonzalez, Di Loreto, Cañete Clemente Rodriguez, Castagno, Bóvio, Bonelli, Beraza, Amelli, Albella e Adrian Gonzalez.

Argentina e São Paulo FC, muito mais próximos na história do Tricolor, do que se imagina. O azul celeste é mesmo parte integrante do vermelho, branco e preto.

Saudações Tricolores!

Crédito-Imagens: Revista Gazeta Esportiva Ilustrada, blog Tardes de Pacaembu, revista Placar, site oficial do São Paulo FC, Folha da Manhã (acervo Folha).

Siga-me no Twitter: @carlosport

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: Silas

silas_crop_galeria

Olá nação tricolor!

Podemos dizer que Kaka e Ganso vestiram a camisa que foi de Silas? Sim, podemos!

Paulo Silas de Prado Pereira, nascido em 27/08/1965.

O meia-direita, legítimo 8 de futebol clássico, encantou o Morumbi e o futebol brasileiro, nos lendários Menudos do Morumbi.

B9453006AE434680BD5F2CA879D71307

Com Muller, Careca e Sidney no ataque, ao lado de Falcão (Márcio Araújo) e Pita no meio, na retaguarda de Oscar e Dario Pereyra, com Nelsinho na lateral direita, Zé Teodoro na esquerda e Gilmar no gol, Silas marcou época no campeonato paulista inesquecível de 1985.

O meia de ligação fatal e preciso nas triangulações ofensivas do São Paulo, de passe preciso e bom arremate. Não à toa, além de servir, marcou 35 gols com a camisa tricolor.

images (1)

No avassalador SPFC de 1985 a 1987, os jovens formados no Tricolor encontraram o entrosamento perfeito com as contratações de peso. O resultado foi o time que mais praticou o futebol-espetáculo naqueles tempos. Cilinho marcou época com suas frases de efeito e Silas foi um dos principais executores.

1986

Assim, mais dois títulos vieram pós 1985, o Brasileirão 86 com Pepe e o Paulista 1987, derrotando o rival Corinthians, novamente com Cilinho no comando, diante de uma nova formação tricolor.

1987

A fluência do seu jogo no meio levaram Silas a duas Copas do Mundo, em 1986 servindo ao São Paulo e em 1990, já no Sporting de Lisboa.

No final dos anos 80, o São Paulo ainda venceria o título paulista de 1989. Silas não jogava mais no Tricolor, mas suas conquistas entre 1985 a 1987, contribuíram e muito para que o SPFC fosse eleito o time da década.

placar3

Um breve retorno em 1997 findou a trajetória tricolor, de um dos melhores meias que o São Paulo formou em sua própria forja.

Saudações Tricolores!

Crédito-Imagem: site oficial do SPFC, Placar

Siga-me no Twitter: @carlosport

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: Muller

muller (1)

Olá nação tricolor!

Se Ruy, Bauer e Noronha formaram a linha média defensiva lendária nos anos 40, Silas, Muller e Sidney escreveram seus nomes eternamente, nos anos 80.

Na explosão do conjunto pop Menudos, os jovens da base são-paulina formaram um dos maiores times de todos os tempos, ao lado dos experientes e geniais Careca como matador, Pita na armação, Rei de Roma Falcão, Oscar e Dario Pereyra na zaga, Zé Teodoro e Nelsinho nas laterais e Gilmar Rinaldi no gol.

MENUDOS TERRA

Muller tem a história mais extensa, pois avançou no SPFC na década de 90, sendo protagonista de momentos épicos. Luis Antonio Correia da Costa, nascido em 15/11/1984, jogou ao todo 386 jogos e marcou 160 gols.

A Máquina Tricolor (alcunha do esquadrão do início da década de 80) precisava ser reformulada. Entre 1984 e 1985, o período da mudança. Um jogo talvez tenha sido o prenúncio: 1985, contra o Grêmio, no Pacaembu. O Tricolor dependia da vitória, empatou em 2 a 2, mas a busca do empate foi alucinante e marcou a torcida, pelo futebol insinuante dos garotos que lutaram de forma alucinante. A ousadia seria premiada ainda naquele ano.

Muller formou no Paulista de 1985 um dos ataques mais espetaculares da história do São Paulo, ao lado de Careca. Artilheiros da competição, aniquilaram os rivais até a final contra a Portuguesa. São Paulo campeão.

careca20

No ano seguinte, a seleção brasileira teve no SPFC a sua base de meio e ofensiva na Copa do Mundo, o que tirou do Tricolor a chance do bicampeonato. Mas no Brasileirão, a dupla Careca e Muller mais uma vez foi brilhante e mais uma final foi alcançada, já avançando no ano de 1987, contra o Guarani. Segundo título brasileiro do São Paulo, conquistado de forma heróica, com Muller sendo o artilheiro da competição, com 10 gols.

SPFC1986

O sucesso estrondoso faria Muller perder seu companheiro de ataque Careca no início de 1987. O centroavante iria jogar com Maradona, no Napoli. Mesmo assim, sua explosão de velocidade ainda fez a diferença no Paulistão daquele ano, derrotando o rival Corinthians na final, ao lado de um novo ataque formado por Lê e Edivaldo.

Muller, então, também seguiu para a Itália, vendido ao Torino na temporada de 1988, onde permaneceu até 1991. Porém, voltaria ao SPFC. O final da história precisava ser finalizada de forma épica.

De volta ao Tricolor, conquistou o Brasileirão de 1991, findando 2 anos doídos de vice-campeonatos consecutivos.

nelson-coelho_crop_galeria

Além do Brasileiro, o bi-paulista 1991/1992, derrubando nas finais os rivais Corinthians e Palmeiras, respectivamente. O zagueiro alvi-negro Marcelo era a vítima predileta dos dribles mortais do atacante tricolor. Entre 1991 e 1993, o SPFC manteve tabu sobre o SCCP.

Mas a era Muller se consolidou mesmo, pelos títulos internacionais. Na Libertadores de 1992, o atacante não brilhou na final e deu lugar a Macedo, o talismã que sofreu o pênalti que abriu caminho para o título. Na final do Mundial daquele ano, Muller foi fantástico, no drible desconcertante em Ferrer, cruzando a meia altura para o gol de empate, de barriga, de Raí. Em 1993, a repetição do enredo histórico. Tricolor venceu a Libertadores, goleando os chilenos da Universidad Catolica e a final mundial seria contra o Milan. Antes disso, houvera tempo de uma Supercopa levantada contra o Flamengo.

PLACARWORLD

Muller, definitivamente, seria eternizado no Morumbi. Final no Japão empatada em 2 a 2, até que aos 41 minutos do segundo tempo, o calcanhar espírita do eterno Menudo, decidiria o jogo. “Questo gol é per te, buffone”! A frase de Muller para o rossonero Costacurta, marcaria para sempre o bimundial tricolor.

MULLERCOSTA

Trajetória extraordinária de Muller, que vencera todas as finais que disputara, até a derrota (com vitória) na Libertadores 1994. Após uma passagem pelo futebol japonês e na co-gestão rival, Muller faria seus últimos jogos pelo São Paulo, em 1996.

Encerrou a carreira como atleta, em 2004.

Saudações Tricolores!

Crédito-Imagens: Placar, Uol, Site Oficial do SPFC, Terra.

Siga-me no Twitter: @carlosport

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: Raí

rai-completa-46anos

Olá nação tricolor!

Raí Souza Vieira de Oliveira, o terror do Morumbi, nasceu em 15 de maio de 1965.

Genética futebolística no sangue, do genial Sócrates, seu irmão mais velho, ídolo eterno do rival Corinthians, falecido em 2011, aos 57 anos.

Raí chegou ao São Paulo como irmão de Sócrates. Sua perseverança ao longo dos anos de Tricolor, afirmação, titularidade, títulos e glórias de super ídolo, fizeram com que igualassem a condição de reverência. Nada mais normal do que dizer que Sócrates, é que foi o irmão de Raí no futebol.

rai_soc

Porém, o começo no Morumbi foi difícil. Raí chegou no São Paulo, após uma disputa acirrada com o rival alvi-negro, para a disputa da Copa União, o Brasileirão 1987. Nos anos seguintes, a afirmação não chegava. O destaque da equipe no meio-campo, em seu primeiro título enquanto profissional em 1989, foi Bobô, vindo do então campeão brasileiro Bahia. A perda do título brasileiro do mesmo ano, sendo vice para o Vasco da Gama, a campanha catastrófica do Paulista de 1990 e mais um vice-campeonato brasileiro naquela temporada, justamente para o rival Corinthians, faziam a pressão sobre Raí aumentar demais.

Acontece que era o início do trabalho de um Mestre, Telê Santana. Com Telê, enfim, Raí se encontrou. Conhecedor exímio das características de fundamentos dos seus atletas, o Mestre aprimorou o craque.

O Tricolor chegava em sua terceira final consecutiva do Brasileirão. Raí já despontava como líder, sendo capitão e artilheiro. Na final nervosa contra o Bragantino, vitória no Morumbi, empate em Bragança, finalmente o grito de campeão ecoava no São Paulo, pelo tri brasileiro.

placar_crop_galeria

O ano seguiu avassalador. Nova final contra o time de Parque São Jorge.

rai_f_002

Raí, absolutamente, destruiu o adversário. 3 gols, o título praticamente garantido para a segunda partida decisiva. Dito e feito. 90 vingado.

hqdefault

Pensar que seria apenas o início da glória monstruosa…

Em 1992 o embalado São Paulo seguia imbatível. O outrora projeto Tóquio dos tempos dos Menudos do Morumbi, voltaria com força, sob a batuta do Mestre Telê, o já Terror Raí e demais astros. A Libertadores era o objetivo. A nação tricolor participou muito forte. As catracas precisaram ser abertas, no jogo que estima-se, tivemos mais de 120 mil são-paulinos no Morumbi. A vantagem era argentina, o time do Newell’s Old Boys havia vencido a primeira finalíssima. Jogo tenso, catimbado. Até que o talismã Macedo sofreu pênalti. Na cobrança, ele, Raí. 1 a 0 São Paulo e final nos pênaltis.

RaiLibertadores

Novamente marcou. Vitória tricolor nos braços de Zetti e a maior invasão da história do futebol brasileiro.

Aquela Libertadores de 1992, mudou totalmente o foco dos times nacionais, quanto a conquista da América. Todos passaram a querer, o que o São Paulo fez.

Como uma locomotiva, o São Paulo chegou em mais uma final de Paulistão. O rival era o motivado Palmeiras, com a cogestão milionária Parmalat. Mas era o campeão da América, que venceu o primeiro jogo por 4 a 2. Raí, assim como em 1991, repetiu 3 gols em uma partida final.

download

Mas, antes de disputar a última decisão estadual, o Tricolor iria viajar. Atravessou o mundo, para encarar a final mundial. Contra o Barcelona de Cruyff. Poucos apostavam no São Paulo de Telê. Que erro terrível, subestimar o Clube da Fé.

rai_barcelona1992 mundial_crop_galeria

Os espanhóis saíram na frente, mas o São Paulo tinha Raí. De barriga, após jogada de Muller, empatou. No segundo tempo, tensão, equilíbrio, confiança. Falta para o São Paulo. A cobrança magistral decidiu o jogo, faltando 11 minutos para terminar o tempo regulamentar.

rai mundial 92

Consagração! O mundo era do São Paulo, pelos gols decisivos de Raí e comandados heróis de Telê Santana!

Comemoração? Só depois de vencer o Palmeiras novamente, por 2 a 1 e levantar mais uma taça paulista.

1993 chegara e Raí comandava o SPFC, agora em reinado. Mais uma Libertadores pela frente, outra decisão. O Tricolor diante dos chilenos da Universidad Catolica. A primeira final em São Paulo, o Tricolor goleou e garantiu o bi, mesmo sendo derrotado no jogo de volta. Mais uma vez, o continente era vermelho, branco e preto!

golderai-1993

Seria difícil ficar no Brasil, Raí já se tornara uma celebridade do planeta bola. Antes da despedida ao PSG francês, uma goleada implacável no Santos, por 6 a 1.

meio rai 6

Enquanto encantava na França, o São Paulo vivia anos difíceis no Brasil. Reforma do Morumbi, doença de Telê, co-gestões rivais. Então, em um retorno espetacular, um gesto ousado da gestão De Rey, Raí desembarcou novamente no Tricolor, em plena final do campeonato paulista, em 1998. A vantagem era corintiana, pela vitória no primeiro jogo. Era. Raí chegou sem tempo sequer de treinar e conhecer o time, vestiu o manto são-paulino e comandou a virada. 3 a 1, com direito a mais um gol dele.

images (2)

O campeonato do “arerê”. Quem viveu, sabe.

Após mais esta conquista, Raí sofreu com contusões e novo rumo em sua vida. O final da carreira se aproximava. Esteve no grupo campeão paulista de 2000. Seu nome, segue escrito na história do São Paulo, gravado pra sempre, com 395 jogos e 128 gols.

Raí, Raí, o Terror do Morumbi!

Saudações Tricolores!

Crédito-imagens: Site oficial do SPFC, Esporte Uol, Placar, Imortais do Futebol, Arquibancada Tricolor, Globo.com

Siga-me no Twitter: @carlosport

 

 

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: Waldir Peres

waldirperesnosaopaulo3.jpg

Olá nação tricolor!

A vida de Waldir Peres (02/01/1951) no SPFC foi feita de títulos marcantes, mas a trajetória para tanto, foi marcada por grandes desafios a serem ultrapassados, para o alcance da glória.

Chegou no Tricolor em 1973, mas na meta são-paulina havia um goleiro com alcunha de santo: Sérgio Valentim. Campeão em 70/71, os primeiros títulos da era Morumbi, São Sérgio era absoluto.

Os reflexos, o talento e a perseverança do goleiro nascido em Garça e de revelação na Ponte, começavam a fazer sombra. Waldir, acima de tudo, tinha muita estrela. Foi convocado pra Copa de 74, em razão da contusão do goleiro reserva do Brasil. No mesmo ano, o São Paulo priorizava a Libertadores onde foi vice-campeão.

1974

Sua catimba e frieza em cobranças de pênaltis despontaram no seu primeiro título com o Tricolor, em 1975, diante da outrora forte, Portuguesa. Duas defesas na disputa e a taça ficaria no Morumbi.

waldirperesdefendepenalty1975

Porém, o melhor ainda viria.

75 foi o ensaio do Brasileirão 1977. Decidido em 1978, em um Mineirão lotado, onde todos apostavam no Atlético Mineiro campeão.

Mas o São Paulo tinha o deus da raça Chicão e no gol, um mestre em desestabilizar o adversário. Empates sem gols em São Paulo e em Minas Gerais. Novamente, Waldir diante de uma decisão por pênaltis. Foi brilhante.

1977a_crop_galeria

Com uma catimba impressionantemente eficaz, Waldir desmoronou os nervos de Joãozinho Paulista, Márcio e Toninho Cerezo, este último, seria ídolo no Morumbi, 15 anos depois, conquistando o mundial de clubes pelo Tricolor. Como o São Paulo perdeu 2 pênaltis, o título espetacular veio para São Paulo e calou metade de Minas Gerais.

Valdir Perez

As atuações pelo Tricolor levaram Waldir para mais duas Copas do Mundo. 1978 na reserva, 1982 titular.

A Máquina Tricolor, bicampeã em 1980/81, credenciou Waldir para a titularidade do Brasil de Telê. Além disso, um jogo contra a Alemanha, em Stuttgart, foi preponderante. A seleção brasileira vencia por 2 a 1 quando um pênalti foi marcado para os alemães, faltando 10 minutos para o fim. O batedor, Breitner, jamais havia perdido uma penalidade. Até aquele momento. Waldir defendeu, o juiz mandou voltar e Waldir defendeu de novo. Incrível!

O link do vídeo, aqui (copie e cole): https://www.youtube.com/watch?v=tXWW_dTewoY

1980

1981

Os títulos com o São Paulo, em 1980 e 1981, consagraram definitivamente Waldir Peres no Tricolor. Contra o Santos e contra a Ponte Preta, foram decisões marcantes no Morumbi, com o são-paulino sendo vazado apenas uma vez, em 4 jogos finais. Em 80, duas vitórias por 1 a 0 do Tricolor. Em 81, o empate em 1 a 1 e depois, 2 a 0.

Uma grande reformulação no ano de 1984 findou a era Waldir Peres, com 617 jogos, em 11 anos de São Paulo. Só perde em jogos, para Rogério Ceni, o M1to do Morumbi.

Saudações Tricolores!

Crédito-Imagens: Revista Placar, Manchete Esportiva, Tardes de Pacaembu, Site oficial do SPFC

Siga-me no Twitter: @carlosport

 

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: Kaka

images (2)

Olá nação tricolor!

Ricardo Izecson dos Santos Leite, o Kaka, nasceu em 22 de abril, data do descobrimento do Brasil.

Descobrimento…

Assim podemos definir o fato do SPFC ter descoberto o único jogador em sua história, eleito melhor do mundo.

Ascensão meteórica, o garoto da base que entrou no time, definindo um título inédito, o Rio-SP de 2001.

revista0001_crop_galeria

A idolatria imediata da torcida, além da histeria de fãs femininas, que o elevaram a categoria de pop star da bola, ainda muito cedo para assumir tal responsabilidade. O difícil de tal fato, em uma era do Tricolor com meio-ataque de muita categoria, mas defesa sofrível.

A ausência de grandes títulos no âmbito nacional e internacional, fizeram uma carga de responsabilidade muito grande recair nas costas de Kaka. Moldaram um salvador da pátria, em um menino do bem.

Eleito entre os melhores do Brasil pra ser convocado na Copa do Mundo do Penta, fez o que pôde em 2002 e 2003, levou com Fabuloso, Reinaldo, França, o São Paulo a decisões. Não foi feliz em conquistá-las, por problemas defensivos tricolores e contusões. Parte da torcida o cobrava acima do justo.

A saída do meteoro Kaka foi, então, inevitável, aquele que havia comparado à Raí e Zico (por Parreira, na Copa 2002, ao dizer que jogadores assim, surgem somente a cada 20, 30 anos). O Milan o recebia e então, o Tricolor pôde perceber o quilate da jóia que havia perdido.

Nos rossoneri, encontrou os alas ex-são-paulinos Cafu e Serginho, além do cartola Leonardo, de história vencedora no Tricolor. O caminho estava aberto para a a glória. O jejum de 5 anos do Milan seria quebrado, sendo Kaka um dos protagonistas.

Viria mais. Duas finais da Champions League diante do Liverpool. Uma derrota e a revanche vencedora, sendo artilheiro do maior campeonato do planeta bola. O caminho para ser campeão mundial de clubes estava aberto, o Boca Juniors não foi páreo. Também para vencer o Ballon d’Or e ser eleito o melhor jogador do mundo, em 2007.

O assédio pelo craque era mundial, todos os principais e mais ricos times da Europa o queriam. Os merengues do Real Madrid venceram a disputa em 2009. Porém, na Espanha foi difícil por um fator crucial: lesões. Pubalgias e problemas no joelho, com menisco. Ausência dos gramados, cobranças, voltaram a rondar a carreira do genial Kaka. Mas nunca desistiu de enfrentar a dor e se tornou, ao final de 2012, o maior artilheiro do futebol brasileiro, na história da Uefa Champions League, com 28 gols.

O período de sofrimento na Espanha trouxe a saudade da Itália, no Milan da consagração. Retornou em 2013, onde superou a marca de 100 gols pelo clube.

Faltava ainda a última saudade, o São Paulo. Porém, seu caminho de volta foi negociado não com os italianos, mas sim, com os norte-americanos do Orlando City, a escala final do atleta, em 2015.

Então, em 2014, Kaka retornou pros braços da nação tricolor que, a despeito da ala da torcida que pediu sua saída em 2003, o recebeu de braços abertos, em uma linda festa de apresentação no Morumbi, com a nostalgia de bandeiras na arquibancada.

SPFC_KAKA_2014_splash_crop_galeria-615x400 destaque-292659-kaka

Feliz escolha. Kaka foi líder, importante, fundamental, para a volta do São Paulo à Libertadores 2015, pela conquista do vice-campeonato brasileiro. Vale lembrar que na temporada anterior, o Tricolor lutou pra não cair. Uma ascensão impressionante são-paulina.

images

A paz foi definitiva. A idolatria seguirá pra sempre, com aquele que nasceu no Morumbi, para alcançar o topo.

Kaka, o melhor do mundo, forjado no São Paulo FC!

Saudações Tricolores!

Crédito-Imagens: Site Oficial SPFC, Revista Placar, Uol, Folha, Globo.com

Siga-me no Twitter: @carlosport

 

 

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: Oscar e Dario Pereyra

Oscar e Dario Pereyra

Olá nação tricolor!

Assim como é praticamente impossível mensurar a totalidade da grandeza de Ruy, Bauer e Noronha, sem estarem juntos, o mesmo vale para Oscar e Dario Pereyra, para muitos, inclusive este blogueiro, a maior dupla de zaga de todos os tempos no São Paulo.

José Oscar Bernardi, nascido em 20 de junho de 1954.

Alfonso Dario Pereyra Bueno, nascido em 19 de outubro de 1956.

Uma união de forças brasuca-celeste, absolutamente fantástica!

Dario Pereyra chegou primeiro ao SPFC e surpreendentemente, na condição de camisa 10, vindo do Nacional de Montevidéu. A estréia do ainda volante Dario foi no Beira-Rio do fortíssimo Inter dos anos 70, mas o resultado foi implacavelmente tricolor, 4 a 1.

zaga dario1

Na posição de cobertura de meio e saída de jogo, Dario Pereyra não encaixava como nos tempos de Nacional e então, no ano de 1980, Carlos Alberto Silva o puxou para a quarta zaga. Certamente a maior descoberta da carreira do técnico.

zaga dario genio

No mesmo ano, no segundo semestre, chegaria Oscar, formado na Ponte Preta mas que estava no galáctico norte-americano Cosmos, pela sua classe e estilo.

187k41grtpuzbs29vmajdh1ps

Começava a era Oscar e Dario Pereyra, de forma grandiosa. Clássico no Morumbi diante do Corinthians: implacáveis 4 a 0 para o SPFC, em agosto de 1980.

Oscar permaneceu no SPFC de 1980 a 1987, jogando 294 partidas, com 4 títulos paulistas e 1 Brasileirão. Dario Pereyra teve 11 anos de clube, de 1977 a 1988, 453 jogos, 2 Brasileirões e os mesmos 4 títulos estaduais, ao lado de Oscar, que disputou as Copas do Mundo de 82 e 86, convocado pelo manto tricolor.

4

Participaram juntos de duas gerações lendárias: a Máquina Tricolor do bi 80/81 e os Menudos do Morumbi, o time que encantou o Brasil, entre 1985 e 1987.

zaga oscar helio

Alicerces do super São Paulo dos anos 80, Oscar e Dario Pereyra, eternos para o Tricolor Paulista.

ZAGA OscareDario

Saudações Tricolores!

Crédito-Imagens: Revista Placar, Terceira Via, Terceiro Tempo, site oficial.

Siga-me no Twitter: @carlosport

 

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: Luis Fabiano

Luis Fabiano

Olá nação tricolor!

Luis Fabiano Clemente, o Fabuloso, nasceu em 08 de novembro de 1980 e defende o São Paulo, nesta segunda década do século XXI.

Também o fez na primeira, vindo do futebol francês, que o descobriu na Ponte Preta campineira.

Em sua primeira passagem, foi explosivo, beirando a irresponsabilidade do maior artilheiro da história do São Paulo, Serginho Chulapa. Temperamento difícil, jogador que dizia que “entre bater o pênalti e ajudar na briga, eu prefiro brigar”. Mas desde aqueles tempos, o arredio era implacável.

Ninguém no futebol brasileiro, foi mais goleador que Fabuloso, no século XXI.

Mas voltemos ao começo. Em 2001, Luis Fabiano chegava emprestado ao São Paulo. Fez impressionantes 30 gols em 49 jogos e foi campeão do Rio-SP, no ano do surgimento do seu companheiro Kaka. No início de 2002, voltaria ao Rennes, mas em curto retorno de meio ano, pois seu destino seria o Tricolor.

meio kaka fabuloso

De volta ao país, Fabuloso já emplacaria a artilharia do Brasileirão no seu segundo ano de São Paulo (19 gols), agora contratado em definitivo. Artilharia que se repetiu no Paulistão 2003 e na Libertadores 2004.

Neste caminhar, a confusão notória da Sulamericana 2003, na famosa voadora de Fabuloso no rival argentino do River Plate. A inconsequência trazia revolta em uns e idolatria em outros, como provou a Libertadores no ano seguinte.

download (2)

Fabuloso levou o SPFC nas costas naquela competição, que marcava a volta do Tricolor à disputa de melhor da América. Mas o time não estava pronto pro título e a carga, como é usual no futebol, pesou para os que não tiveram culpa alguma. Assim houvera sido em 2002 e 2003, onde o São Paulo penava com defesas péssimas e a responsabilidade recaía nos craques.

Mesmo com muitos gols no São Paulo, Fabuloso partiu então ao Porto e depois ao Sevilla, onde foi um sucesso total. Ganhou o Mundial 2004 com o time português, foi bicampeão da Copa da Uefa com os espanhóis, além de conquistar uma Supercopa Européia e uma Copa do Rei.

A seleção brasileira seria o destino inevitável do artilheiro, que esteve presente no escrete vencedor da Copa América 2004 e da Copa das Confederações 2009, onde foi artilheiro. Na Copa do Mundo 2010, defendeu o Brasil. Mas seu gesto mais emblemático com a seleção foi em um jogo no Morumbi no ano de 2007, Brasil versus Uruguai, quando fez um gol e foi ajoelhar-se no escudo tricolor. Gesto maravilhoso de sentimento pelo vermelho, branco e preto!

download (3)

Então Fabuloso sofreu contusões difíceis na Europa e o SPFC voltou em seu caminho, nas recuperações no Reffis tricolor. A saudade aumentou.

Em 2011, enfim, o retorno. Um Morumbi com quase 50 mil são-paulinos o aguardava, um regresso fantástico. Mas a recuperação de lesão impediu sua volta aos campos imediata. Foram quase 6 meses de espera, para a nação tricolor reverenciar seu ídolo novamente.

290311-Luis-Fabiano-size-598

Desde então, Luis Fabiano convive com a superação dos grandes. Foi artilheiro da Copa do Brasil 2012 e do Campeonato Paulista 2014, além da vice-artilharia do Brasileirão 2012. Calou os rivais em muitos clássicos, parado na esquina ou como Bolt,  ao longo de sua carreira no SPFC.

ataque fabuloso pacaembu calou

Porém, novamente, foi um período de defesas muito ruins e a responsabilidade, como outrora, nas costas de Fabuloso e demais craques tricolores.

Mas ele não se abala mais, experiente, sabe que a grande maioria da torcida o tem por ídolo, afinal, é o maior artilheiro da história do estádio do Morumbi, ninguém fez mais gols que Luis Fabiano no Brasileirão e na Copa do Brasil, pelo São Paulo. Ao lado da esposa Juliana Paradela e das Fabulosinhas, é um dos mais queridos jogadores dos últimos 15 anos, no Morumbi.

luisfabiano_miguelschincariol_ae

Tantos gols o fizeram superar lendários atletas do Tricolor e hoje, Fabuloso é o terceiro maior artilheiro da história do São Paulo, com 198 gols.

Acontece que estamos em janeiro de 2015 e esta coluna, certamente, atualizará números.

* (Atualização) Em 01/02/2015, a marca de 200 gols foi alcançada.

Saudações Tricolores!

Crédito-Imagens: Esporte UOL, Globo, Terra, Lancenet

Siga-me no Twitter: @carlosport

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: o trio Ruy, Bauer e Noronha

imagem1188

Olá nação tricolor!

Impossível falar da magnitude de Bauer, sem mencionar Rui. Da mesma forma, não dá pra explanar a totalidade do futebol de ambos, sem Noronha. A linha que marcou época no SPFC, nos anos 40.

Alfredo Eduardo Ribeiro Mena Barreto de Freitas Noronha, nascido em 25 de setembro de 1918. Falecido em 27/07/2003.

imagem1033

Ruy Campos, nascido em 02 de agosto de 1922. Falecido em 02/01/2002.

imagem816

José Carlos Bauer, nascido em 21 de novembro de 1925. Falecido em 04/02/2007.

imagem536

Noronha, o mais velho dos 3, foi penta-campeão, nos anos de 1943, 45, 46, 48 e 1949. Jogou 298 jogos com o SPFC. Esteve também na Copa de 50, na reserva de Bigode.

Ruy foi tetra, em 1945, 46, 48 e 1949. 273 partidas pelo Tricolor. Outro convocado da seleção vice-campeã em 1950.

Bauer também foi penta, em 1945, 46, 48, 49 e 1953. Prata da casa tricolor, foi o único paulista titular na Copa de 50, com a alcunha de “Monstro do Maracanã”. 400 jogos no SPFC.

Noronha jogava pelo lado esquerdo da defesa, mas também foi centro-médio e tinha dom nato para gols de cabeça, Ruy era zagueiro clássico, Bauer, volante forte, de matada de bola perfeita e passes certeiros. O trio imortal do São Paulo.

Muitos títulos, muitas glórias. Futebol espetáculo, sem perder a força do combate defensivo. 3 em 1.

Noronha, Ruy e Bauer, excelentes. Unidos, quase invencíveis!

Saudações Tricolores!

Crédito-Imagens: arquivo público do Estado de São Paulo, Revista do Esporte, Gazeta Esportiva, Arquibancada Tricolor, Tardes de Pacaembu

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: Roberto Dias

imagem788

Olá nação tricolor!

Roberto Dias Branco, 07 de janeiro de 1943 à 26 de setembro de 2007, foi e sempre será um ídolo do São Paulo, que quebrou a “regra” de que jogador somente se torna lendário, quando campeão.

Apesar de levantar a taça do bicampeonato 1970/71, no início avassalador da era Morumbi, foram 10 anos de espera desde 1960, quando o “garoto” formado no próprio Tricolor, começou a encantar nos gramados.

Sua versatilidade e técnica refinada fascinaram. Pelé o considerava exímio jogador, na marcação e saída de jogo. O Rei do Futebol foi “chapelado” por Dias, em certo San-São.

images

Porém, eram tempos difíceis no São Paulo. A construção do Morumbi exigiu “suor e sangue” são-paulino. Os recursos eram quase todos destinados ao estádio nos anos de Roberto Dias fazendo de tudo, para compensar a fragilidade dos elencos tricolores nos anos 60.

imagem1211

A recompensa pelas batalhas veio em 1970, o gigante Morumbi, finalmente concluído, foi o grandioso palco do primeiro título de Roberto Dias com o São Paulo.

imagem772

Mas o êxtase da conquista durou apenas naquela temporada. Dias adoeceu, teve problemas coronários sérios, que o impediriam de seguir jogando futebol. Um drama. Uma história triste que possuiu ramificações familiares. Roberto Dias só conseguiu voltar ao futebol no final de 1971, após 373 dias parado. No ano de sua recuperação, precisou ser muito forte para superar a morte do filho de 3 meses e da mãe, também por questões de saúde. O bebê Rogério sofrera colapso nos pulmões e Dona Leny, nos rins.

O guerreiro ainda teve forças para seguir no São Paulo até 1973. Passou um período por times menores no Brasil, outro tempo no futebol mexicano, até se aposentar com 35 anos, no pequeno Nacional da capital paulista.

Faleceu aos 64, deixando perpetuada uma história de superação, no coração do São Paulo Futebol Clube.

Saudações Tricolores!

Crédito-Imagem: site oficial do SPFC, Gazeta Esportiva Ilustrada,  Revista Placar, Revista do Esporte, site Tardes de Pacaembu.

Siga-me no Twitter: @carlosport

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: Zetti

Zetti

Olá nação tricolor!

A história de Armelino Donizetti Quagliato, o Zetti, nascido em Porto Feliz, a 10 de janeiro de 1965, tem a ver com predestinação tricolor.

Afinal, Zetti esteve durante 7 anos em outro front, rival, antes de chegar ao São Paulo. Até em semifinal de campeonato paulista se encontraram, no ano de 1987. Parece que o futuro começaria a ser escrito ali. Naquela oportunidade, um gol do então são-paulino Neto não foi capaz de abalar o prestígio do goleiro de incríveis reflexos, que teria sua carreira interrompida no ano seguinte, após um lance gravíssimo que ocasionou fratura de perna, no Maracanã, em dividida com Bebeto, ex-craque que à época defendia o Flamengo.

Na volta de sua contusão, o gol alvi-verde já tinha outro arqueiro titular. Ah se o Palmeiras soubesse…

Zetti então batalhou seu espaço, caminho e direção à glória. Adquiriu seu próprio “passe”, ainda vigente naqueles tempos, alugando-o ao São Paulo, em 1990. Tricolor que ainda tinha Gilmar, goleiro super campeão em 1985, 1986, 1987 e 1989.

O predestinado Zetti lutou pela titularidade e a conquistou no segundo semestre de 1990. Um SPFC combalido do técnico Pablo Fórlan agora tinha Telê Santana e uma história insuperável no futebol brasileiro iniciava sua trajetória.

O ano era 1991. Após dois vice-campeonatos brasileiros consecutivos, o são-paulino tinha o grito de campeão preso na garganta. Em Bragança, a redenção. O goleiro foi fundamental.

Tinha mais naquele ano. O Campeonato Paulista teve uma sequência de 4 partidas consecutivas com mais de 100 mil pessoas nos jogos do São Paulo. Na semifinal, o mesmo Palmeiras de 1987, o mesmo Palmeiras que não soube o gigante que possuía após a fratura de 1988. Zetti fechou o gol e fez uma das defesas mais incríveis da era Morumbi. Rival eliminado. Na final, o reencontro com o Corinthians, que levantara o Brasileirão no ano anterior. Agora a história foi outra. Zetti, ao lado de Raí, foram os líderes que conduziram o Tricolor para o título estadual.

gol zetti1

Era só o começo…

1992. O Morumbi assistiu a sua maior epopéia, na primeira conquista da Libertadores pelo SPFC. Zetti e Raí, novamente, os protagonistas. Das mãos do goleiro, a explosão para a maior invasão de gramado da história do futebol no planeta bola. Final sofrida contra os argentinos do Newell’s Old Boys, 1 a 0 para os anfitriões nos 2 jogos. Disputa nos pênaltis. E então, Zetti saltou maravilhosamente na última cobrança portenha de Gamboa. Êxtase tricolor que somente quem viveu aquela noite, é capaz de explicar.

gol zetti

Por mais que tenha sido fantástico, ainda tinha mais. No mesmo ano, outras duas taças esperavam por Zetti e os geniais comandados pelo Mestre Telê. Final do Campeonato Paulista, 5 de dezembro, 4 a 2 no rival Palmeiras, o eliminado de 1991. Viagem ao Japão, pois o São Paulo tinha o poderoso Barcelona pela frente, de Johan Cruyff e companhia, na disputa do campeonato mundial de clubes.

Como seria possível vencer duas decisões ao mesmo tempo? Em um período de 15 dias, indo ao outro lado do mundo e voltando? O São Paulo conseguiu a extraordinária façanha. 2 a 1 nos espanhóis em 13 de dezembro, o Tricolor sagrava-se campeão mundial! Sem tempo de comemorar, voltou ao Brasil, venceu novamente o rival verde por 2 a 1 em 20 de dezembro e então, finalmente, caiu nos braços da massa vermelha, branca e preta.

zetti e ronaldao

Tudo já havia sido conquistado no futebol mundial, campeonato estadual, nacional, continental e mundial, mas em 1993, ficou provado que não existiam limites para o São Paulo de Zetti.

Novamente a Libertadores era do São Paulo. Na final, a notável sequência de 4 defesas consecutivas contra os chilenos da Universidad Católica, no mesmo lance, entrava para a história são-paulina. O São Paulo era dono absoluto da América, ainda venceu Recopa e Supercopa, antes de novamente atravessar o mundo, para conquistá-lo. O Milan se rendia ao imbatível São Paulo, na final, 3 a 2 Tricolor.

O título da Libertadores 1993 ainda rendeu a Zetti mais uma Recopa, a de 1994. Um ano difícil pela perda do Tri da América, mas era impossível exigir vencer tudo e somente o sentimento de idolatria e gratidão nos corações e mentes tricolores, definem Zetti no Tricolor.

432 jogos, 10 títulos da mais elevada expressão, entre outros, no período de 1990 e 1997.

Lendário Zetti!

Saudações Tricolores!

Crédito-Imagem: Terra, Esporte UOL, Placar, Globo.com

Siga-me No Twitter: @carlosport

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: França

franca-nos-tempos-de-sao-paulo-1360695742878_956x500

Olá nação tricolor!

Françoaldo Sena de Souza nasceu em Codó, no Maranhão, em 02 de março de 1976.

Sua escala de formação no futebol passou por Manaus, Jaú até chegar ainda com 19 anos ao São Paulo.

Seu desafio no futebol era grande. O time que havia vencido tudo no futebol mundial se reinventava em 1996, após um início de ano muito difícil, com a isquemia cerebral sofrida por Telê Santana. Seu discípulo, Muricy Ramalho, soubera de um jovem que havia feito 6 gols na Copa SP de juniores e teria a oportunidade, em seu primeiro ano no Tricolor, de assistir um dos mais belos gols de bicicleta da história do Pacaembu, no jogo São Paulo x Rio Branco, de Americana. O autor: Françoaldo, já França.

O talento refinado e faro de gol de centroavante o fizeram encontrar lugar no Tricolor, que ainda teve Muller retornando naquele ano, mas os tempos já eram outros e o atacante do gol decisivo do Mundial 1993 e vencedor de mais 11 títulos no SPFC, voltaria ao futebol italiano.

Assim, o caminho estava livre para França. O atacante não perdeu a chance.

182 gols, o quinto maior artilheiro da história do São Paulo, atrás apenas de Serginho Chulapa (242), Gino Orlando (232) e Luis Fabiano (atualmente com 198, em janeiro de 2015) e Teixeirinha (189).

Os títulos paulistas de França no SPFC vieram junto da artilharia nos campeonatos, em 1998 e 2000, contra Corinthians (no histórico retorno de Raí) e Santos, em finais emocionantes. Em 98, Raí, abriu o caminho e França liquidou o jogo, com 2 gols, na final da virada vencida por 3 a 1. Já em 2000, França não pôde disputar a segunda finalíssima, mas fez o gol da primeira partida que garantiu a vantagem ao Tricolor.

download (1)

França foi seleção brasileira e teve o privilégio, orgulho e honra, de marcar para o Brasil em Wembley, no empate com a Inglaterra por 1 a 1, no ano 2000.

Ao lado de Kaka e Luis Fabiano, conquistou ainda o inédito Rio-SP para o Tricolor, em 2001.

Franca-Luis-Fabiano-Paulo-DivulgacaoSPFC_LANIMA20120830_0063_26

Então a estrada artilheira levaria França ao exterior, em 2002, antes com um drama de lesão que o impediu de ter chances de convocação à Copa do penta brasileiro. A Alemanha e o Japão, assistiram seus gols antes de encerrar a carreira.

França, o artilheiro assistente!

Saudações Tricolores!

Crédito-Imagens: Esporte UOL, Lanima

Siga-me no Twitter: @carlosport

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: De Sordi

De Sordi

Olá nação tricolor!

O piracicabano Nilton De Sordi, nascido em 1931, marcou época no Mais Querido.

Lateral do São Paulo e da Seleção Brasileira na década de 50, avançou no Tricolor até a metade dos anos 60.

Dono de características próprias, como ótima impulsão para a sua estatura mediana, marcação em excelente tempo de bola e cobertura de campo. Na era do futebol dos pontas, os laterais eram responsáveis pelos flancos defensivos.

Uma vida dedicada ao São Paulo de 1952 a 1965, mais de 500 partidas (536) 13 anos e 2 títulos paulistas, nos anos de 1953 e 1957.

Faleceu em 2013, aos 82 anos. Quando do seu passamento, a página oficial do São Paulo publicou:

“Era um jogador fora-de-série em termos de regularidade. Jogava sempre bem e sua noção de cobertura era inigualável. Apesar da pouca estatura, cabeceava muito bem. Por isso chegou a jogar de zagueiro-central no São Paulo e também na Seleção Brasileira. Foi o lateral-direito titular da seleção campeã mundial na Copa de 1958.”

Obrigado eterno ao guerreiro caipira.

Saudações Tricolores!

Siga-me no Twitter: @carlosport

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: Lucas

Lucas

Olá nação tricolor!

Falar de Lucas (Lucas Rodrigues Moura da Silva, 13/08/1992) significa contemplar o menino bom caráter do Morumbi, que partiu cedo, para conquistar o mundo.

O primeiro grande ídolo da segunda década do século XXI, na era do futebol digital.

Criado sim no SPFC, fez questão o quanto antes, de se livrar da alcunha Marcelinho, referente a um curto espaço de tempo de criança, no terrão rival.

Afinal, no Tricolor encontrou seu lar, sua guarida, no extraordinário Centro de Formação de Atletas de Cotia.

Como uma flecha, surgiu na base erguendo taça de campeão da Copa São Paulo, desmentindo o discurso diretivo tricolor de que o importante é revelar. Claro que trazer ao profissional é o objetivo principal, mas almejar vencer desde garoto separa homens de meninos.

Lucas sempre foi assim. Destemido, entregue ao manto, somando alegria e humildade, ao seu belo futebol aguerrido e insinuante. Não se deixou contagiar pela marra do sucesso, apesar do imenso assédio que a modernidade de redes sociais traz ao planeta bola. Continuou simples, igual aos seus fãs.

No São Paulo, rompeu a barreira de uma era sem conquistas, levantando mais uma taça internacional, a Sulamericana 2012.

lucas_saopaulo2_gustavotilio2

Fundamental nos arranques, dribles, tabelas, fintas de corpo, 33 gols marcados pelo Mais Querido, em 128 jogos.

sul-americana-sao-paulo-lucas-torcida-comemorando-640x480-foto-arena

Na Seleção, emocionou ao fazer o brasileiro se recordar do que é a amarelinha com sentimento, quando chorou pelo país.

Menino de ouro, reluzindo em Paris, no PSG da tradição tricolor de Raí e Leonardo. O mundo é o limite, outras fronteiras virão. Quem sabe até, o retorno algum dia, ao vermelho, branco e preto que o consagrou.

Allez Lucas!

indelucas2

Saudações Tricolores!

Crédito Imagem: Globoesporte.com, Lancenet

Siga-me no Twitter: @carlosport

Grandes ídolos do SPFC, por Carlos Port: Friedenreich

imagem149

Olá nação tricolor!

Discorrer sobre Friedenreich significa recorrer aos livros e enciclopédias. Certamente, nos capítulos da mais alta nobreza do reino da bola.

Para os antigos, até surgir Pelé, Fried era o maioral. Um dos maiores atacantes da história do futebol brasileiro, porém, anterior ao alcance da eternização das imagens de TV. A era amadora…

Friedenreich pode se confundir com o hino do SPFC “dentre os grandes, és o primeiro”, pois foi aquele que inaugurou o batalhão dos gigantes tricolores.

imagem1113

Falando em batalhão, serviu ao São Paulo e por SP, defendendo o estado na revolução constitucionalista, de 1932. Um patriota bandeirante!

Seus gols superaram a marca de 1200 tentos, muitos deles, no período de 1930, ano da fundação do Tricolor, até 1935, já Clube da Fé.

“El Tigre” foi a alcunha dada pelos uruguaios, após encantar no Sulamericano de 1919, pela seleção do Brasil. Ele que era filho de alemão com uma negra brasileira, a típica miscigenação tupiniquim, que fascinou até ao conservador Club Athletico Paulistano.

No Esquadrão de Aço, a primeira formação campeã do São Paulo Futebol Clube, marcou impressionantes 103 gols, em apenas 125 jogos, a maior média da história são-paulina.

Faleceu aos 77 anos. Deixando o legado da sua genialidade, entre os 5 maiores jogadores brasileiros do século XX (IFFHS 1999).

imagem178

Saudações Tricolores!

Crédito-Imagem e fontes de pesquisa: Folha de SP, spfcpedia, blog Tardes de Pacaembu.

Siga-me no Twitter: @carlosport

 

Marcelo Portugal Gouvêa. Eterno são-paulino.

PQAAAOcWJuJdCtn0zs-cjeh3GaIKBqJvw9ZpCIJTma1S8mqeDqtUl0-4ntuhZ4p2x1mZy3qK4Cn1MZZpQwOjQ7CEHVcAm1T1UMqAe0Lse5ZlxUhif8SFTssDRlHA

Olá nação tricolor!

Fiz esta coluna em 02 de março, data de nascimento do nosso presidente querido, o saudoso Dr. Marcelo Portugal Gouvêa. O MPG.

Dr Marcelo nasceu em março de 1938 e faleceu em novembro de 2008, com 70 anos. Teria 76, neste 2014. Ou tem, afinal, sempre está presente em nossas lembranças tricolores.

O ressurgimento do São Paulo no mundo, ocorreu com MPG. Passo a passo, depois de anos difíceis. Primeiro a volta pra Libertadores, ao final de 2003, depois o alucinante 2004 de reencontro da torcida com o Morumbi, disputando a América. Faltava um pouco de maturação para o time voltar à glória, que chegaria no ano seguinte. 2005 mágico. Campeão paulista, da Libertadores e novamente, o mundo atravessado para conquistá-lo.

Dr. Marcelo foi fundamental para tanto. Mas sua vida foi iniciada no São Paulo bem antes. Sócio desde 1960, conselheiro desde 1970, diretor administrativo com Carlos Miguel Aidar e de futebol com Juvenal Juvêncio, nos anos 80. Anos mais tarde, em 2003, as funções se invertiam. MPG presidente convidava JJ para ser o seu diretor. Uma dupla que emplacou no planeta bola.

O Centro de Referência de Atletas de Cotia, orgulho tricolor, foi inaugurado por MPG. O Reffis, outra conquista do SPFC aos olhos do mundo, também. Lugano, o Dios, foi o jogador do presidente.

E na data da sua morte, o Tricolor tinha a chance de ser hexa-campeão brasileiro. Seria injusto vencer o Fluminense naquela tarde… Por isso, o empate e o título na semana seguinte.

Com a palavra o M1to: “Seria muito injusto que ele visse o título daqui. O céu é o lugar certo para uma pessoa como ele festejar.”

Te amamos ternamente, MPG!

Saudações Tricolores!

Crédito-Imagem: Alexandre Lenz Cavalcanti

Siga-me no Twitter: @carlosport

O São Paulo no mundo, por Carlos Port. Vai encarar?

placarjapao

Olá nação tricolor!

Esta é uma aula para os rivais do Tricolor do Morumbi e também, um registro histórico de tradição para o são-paulino.

O SPFC, o Clube da Fé, já venceu grandes clubes da Inglaterra, da Itália, da Espanha, da Alemanha, da França, da Argentina e do Uruguai.

Em outras palavras, o Tricolor já ganhou de equipes de todos os países que já venceram Copa do Mundo.

borussiafiorentinaFranca BelgicaMilan 64Furacao 64

1964. Uma excursão de 12 jogos invicta, com 9 vitórias e 3 empates, rendendo a alcunha de Furacão da Europa: times grandes como Borussia, Bordeaux, Fiorentina e Milan, caíram diante do SPFC.

20824255 1969colombino3

1969. O poderoso Real Madrid não resistiu ao São Paulo no torneio Colombiano, que também contou com Las Palmas e o belga Anderlecht.

imagesrivertricolor_f_003meio rai

Na Argentina, as vítimas foram Boca Juniors, River Plate, Velez Sarsfield, Estudiantes de Plata, Quilmes, Independiente, Gymnasia, Huracan, Newell’s Old Boys, San Lorenzo, Rosário Central e Tigre.

baudosaopaulo_fichatecnica2_copaconmebol1994_spfc6x1cap.uy_14121994_480pxSao Paulo v Penarol Xspfcnacionaluruguai

O SPFC, pra lembrar dos primórdios da Copa, já aniquilou os tri-campeões do mundo Nacional e Peñarol, do Uruguai.

Já venceu o Bordeaux, da França.

2952965memorial13

Na Inglaterra, os derrotados foram Liverpool (em final de Mundial), Arsenal, Bolton e Southampton.

SPFCxREAL_92_JORNAL ramon 1992barca_7071992mundial1

Já na Espanha, em 1992, Real Madrid e Barcelona sucumbiram diante do SPFC, ambos perderam de goleadas por 4 gols, além da decisão de campeonato mundial conquistada pelo Tricolor. Espanyol, Cadiz, Las Palmas, Sevilla, Tenerife e Valencia completam a lista de equipes espanholas, vencidas pelo Clube da Fé.

1964-65capa_AMISTOSO_folhaspaulo_15051964

Na Alemanha, além do Borussia Dortmund, Bayer Leverkusen, Eintracht Frankfurt e Colônia, caíram diante do Tri-Mundial.

1993japao

Por fim, na Itália, Milan (excursão de 64 e decisão do Mundial de 93), Lazio e Fiorentina, perderam para o SPFC.

Países que não conquistaram Copa do Mundo também tiveram equipes derrotadas pelo Tricolor.

1526404_253985744785734_6883524699981560131_ndownload

O Tricolor paulista simplesmente atropelou os maiores times de Portugal: Sporting, Porto e Benfica.

Marinho Chagas

O Mais Querido bateu duas vezes no famoso time do Cosmos, dos EUA.

universidad-catolica-final-libertadores-1993-triunfo-13299-MLC36873142_8487-F

014719018-ex00

O São Paulo já ganhou de times, de todos os países da América do Sul.

Além disso, o Tricolor paulista venceu times japoneses, suecos, árabes, salvadorenhos, holandeses, tchecos, indianos, romenos, russos e sérvios.

O Tri campeão do Mundo São Paulo FC é conhecido em todo planeta bola.

Mais do que conhecido, é temido.

Muito temido e respeitado.

O seu time tem esse cartel de vitórias internacionais?

Nem precisa pesquisar no Google, não tem.

Portanto, abaixe a cabeça e lamente por ter lido essa coluna de massacre são-paulino.

Somos hexa, os maiores campeões brasileiros sem canetada de CBF.

Somos tri da Libertadores.

Somos tri do mundo.

Somos, acima de tudo, o Clube da Fé.

Saudações Tricolores!

Crédito-Imagens: Arquivo histórico do SPFC, Placar, Acervo Folha, El Mundo Esportivo (Espanha), revista Triunfo (Chile).

Siga-me no Twitter: @carlosport